Furlan não comenta se disputa com Argentina pode ir à OMC

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, afirmou que aposta em um acordo entre Brasil e Argentina sobre a chamada "guerra da geladeira", que seria obtido a partir de uma discussão "civilizada e construtiva". "Eu trato desse assunto de uma forma muito pragmática. Combinei com o ministro Roberto Lavagna (da economia da Argentina) que hoje haveria uma reunião técnica e que amanhã haveria uma reunião de governo para tratar os assuntos de forma firme, defendendo os interesses dos brasileiros", afirmou o ministro, logo ao final da cerimônia de instalação do Fórum de Competitivo da Cadeia de Gemas e Jóias.Ao falar com a imprensa, Furlan esquivou-se das repetidas perguntas sobre a possibilidade de o Brasil levar à Organização Mundial do Comércio (OMC) o conflito comercial em torno das restrições argentinas. Furlan limitou-se a responder que nada aconteceu depois de seu último encontro com Lavagna, na última quinta-feira, em Puerto Iguazú, que pudesse justificar uma queixa do Brasil à OMC.Furlan, entretanto, indicou sua insatisfação em relação às recorrentes declarações de Lavagna e de outras autoridades argentinas sobre o conflito comercial à imprensa. "Eu vejo que, como eu disse ao ministro Lavagna, nós não vamos discutir este assunto, via mídia, via imprensa, porque sócios não ficam se degladiando através de jornais. Eles sentam-se à mesa e buscam soluções", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.