Furlan negociará na China cotas para têxteis, calçados e brinquedos

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, disse hoje que deverá negociar, em sua viagem para a China neste mês, restrições voluntárias à exportação para diversos produtos, além dos já anunciados têxteis e confecções. Segundo o ministro, que participou da abertura da Cosmoprof Cosmética, entrarão também na pauta da negociação com os chineses brinquedos, alguns segmentos de eletroeletrônicos e calçados. Furlan informou que o Ministério ainda está recolhendo informações dos setores para completar a pauta de negociações. A viagem à China é resultado de pedido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, segundo o ministro. Na avaliação de Furlan, a negociação das restrições não impede a regulamentação das salvaguardas contra exportação de produtos chineses, já aprovada pela Câmara de Comércio Exterior (Camex), mas ainda não publicada. A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) divulgou nota na semana passada contra a negociação de restrições voluntárias e a favor da regulamentação das salvaguardas. "Os dois mecanismos são independentes", finalizou o ministro.

Agencia Estado,

09 Setembro 2005 | 14h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.