Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Furnas já teria três interessados em Três Irmãos

Negociação para se livrar do sócio privado ainda não estaria concluída; fatia à venda era do empresário Leoni Ramos envolvido na operação Lava Jato

Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2014 | 02h09

BRASÍLIA - Há pelo menos três interessados em comprar a parte do empresário Pedro Paulo Leoni Ramos na sociedade com Furnas para assumir a concessão da Hidrelétrica Três Irmãos. Essa era a informação que circulava ontem nos bastidores. As tratativas, porém, ainda não estão concluídas.

Assim, avança a iniciativa da estatal federal do setor elétrico de se livrar de seu sócio privado, depois que este apareceu em documentos apreendidos pela Polícia Federal na operação Lava Jato, numa suposta sociedade com o doleiro Alberto Youssef. Nos bastidores, Furnas pressionou Leoni Ramos a deixar o negócio. Objetivo foi alcançado na semana passada.

Conforme antecipou o Estado, o empresário autorizou a venda de até 95% de suas cotas no negócio. Para tanto, deverá reivindicar alguma compensação financeira, segundo informações não oficiais. Assim, terminou uma parceria que poderia ter evoluído para outras concessões no setor elétrico.

O fundo Constantinopla, formado por quatro empresas pertencentes ao grupo de Leoni Ramos (GPI, Goldenbank, Cialo e Darjan), mais a gestora de recursos Cypress, foi selecionado por Furnas num processo de Chamada Pública para ser seu sócio nos leilões de concessões não renovadas após a edição do novo marco do setor elétrico. Assim, além das usinas da Companhia Energética de São Paulo (Cesp), como é o caso de Três Irmãos, a sociedade poderia alcançar as concessões da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) e a Companhia Paranaense de Energia (Copel).

Peneira. Desse processo de seleção, que começou em julho do ano passado e terminou seis meses depois, participaram 16 candidatos. "O FIP Constantinopla apresentou a Declaração de Compromisso de Investimentos de seus cotistas, comprovando a sua capacidade financeira. O fundo também apresentou todas as certidões e documentos em atendimento aos critérios de classificação", informou a estatal. Alegando confidencialidade, Furnas não informou quais foram os demais concorrentes.

Ontem, a Cypress informou que a composição do fundo segue inalterada.

Na segunda-feira, termina o prazo, fixado no edital, para que os vencedores do leilão de Três Irmãos - no caso, Furnas e o fundo Constantinopla - apresentem documentação para análise da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Os técnicos vão verificar, entre outras coisas, se as empresas têm pendências com a Receita Federal, ou se possuem patrimônio suficiente para assumir o negócio.

Troca. Caso a negociação para troca de sócios não esteja concluída até lá, é possível que os integrantes da composição original do consórcio cumpram essa formalidade. É permitida a mudança posterior de cotistas. Mas, no caso, como as empresas de Leoni Ramos são líderes do consórcio, é necessário que essa substituição seja comunicada previamente à Aneel. No fim das contas, Furnas continuará sócia do fundo Constantinopla, mas este poderá ter outra composição.

A área técnica federal trabalha para evitar atrasos na assinatura do contrato, previsto para o final de agosto ou início de setembro. A ordem é "blindar" o processo de concessão de dois problemas: o sócio de Furnas enredado nas investigações da Polícia Federal e o jogo de empurra entre União e governo paulista sobre quem deve cuidar das eclusas e do canal da hidrelétrica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.