Furnas quer que eólica e solar respondam por até 20% da carteira

Hoje, as duas fontes de energia têm peso na empresa inferior à média nacional, de cerca de 2%

Sabrina Valle, da Agência Estado,

18 de junho de 2012 | 18h09

RIO - O presidente de Furnas, Flávio Decat, afirmou que as energias eólica e solar devem passar a responder por cerca de 20% da carteira da empresa na próxima década. Hoje, as duas fontes de energia têm peso na empresa inferior à média nacional, de cerca de 2%. Decat confirmou interesse de Furnas, cujo forte é a hidreletricidade, de participar dos próximos leilões de energia A-3 (que contrata energia para os próximos três anos) e A-5 (cinco anos). "Estamos nos voltando fortemente para eólica e solar. Vamos entrar em todos os leilões", disse.

Furnas tem 1 MW em parques eólicos para disputar leilões. "Se ganharmos todos, rapidamente se desenvolve (a fonte de energia)", disse, no fórum de sustentabilidade empresarial da Rio+20. "(Vamos entrar) o máximo possível, não temos limite", disse. Decat disse aguardar do governo a realização de um leilão exclusivo para energia solar, sem descartar a possibilidade de o primeiro acontecer ainda este ano. A energia solar ainda não tem custo competitivo, mas um leilão ajudaria no processo gradual de barateamento de preços.

De acordo com ele, é esperado que acontece com a energia solar o mesmo processo da energia eólica, que começou mais cara e hoje tem preços competitivos.

Tudo o que sabemos sobre:
Furnasenergia eólicasolar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.