Fusão da PT e Telefónica ainda está pendente

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) ainda não recebeu o documento oficial da Portugal Telecom e da Telefónica informando o porcentual de participação de cada uma delas na fusão anunciada na semana passada para a operação da telefonia móvel no Brasil. O vice-presidente da Anatel, Luiz Francisco Perrone, informou que somente analisará o caso quando receber a documentação com a participação de cada uma delas na nova holding. De acordo com explicações dadas por Perrone na semana passada, a primeira condição para as empresas fazerem a fusão é a migração para o Serviço Móvel Pessoal (SMP) das atuais operadoras do Serviço Móvel Celular (SMC) nas bandas A e B, cujas empresas a Portugal Telecom e a Telefónica são controladoras. Respeitada essa exigência e comprovada a intenção da fusão para a consolidação das áreas de atuação, a operação somente poderia ser autorizada para este ano com a Portugal Telecom sendo a controladora da holding. A Telefónica, segundo explicou Perrone, por ser controladora de concessionárias de telefonia fixa, está impedida de participar da fusão neste ano como controladora da holding, e somente poderá fazê-lo a partir de 2002, desde que antecipe para 2001 o cumprimento das metas de universalização previsto para dezembro de 2003. Sendo assim, a participação da Telefónica na eventual holding, caso a fusão seja confirmada para este ano, poderá ser de até 19,9%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.