Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Fusão de Americanas e B2W cria caminho para abertura de capital no exterior

Nova empresa passará a se chamar Americanas S.A.; custo da operação, de acordo com documento, será de R$ 98,1 milhões

Talita Nascimento e Luisa Laval, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2021 | 23h45

O anúncio da combinação de negócios da B2W e da Lojas Americanas, oficializado nesta quarta-feira, 28, já era aguardado, já que as companhias comunicaram o plano ao mercado em fevereiro. No entanto, controlada e controladora surpreendem na forma de fazer a transação. O arranjo possibilita à Lojas Americanas expandir seus negócios para o exterior, o que a companhia indicou que planeja fazer.

A B2W vai incorporar todas as lojas e patrimônio da Lojas Americanas e ficar responsável pela operação do negócio. No entanto, a Lojas Americanas, controladora, continua listada em Bolsa. A decisão está ligada os planos da companhia de levar a empresa a nível global, com sede no exterior e listagem em Bolsa nos Estados Unidos.

Para além do projeto de se lançar internacionalmente, a fusão deve melhorar a operação de e-commerce da B2W, que agora contará com a capilaridade das lojas para colocar em prática uma estratégia combinada do digital com a logística dos pontos físicos. Esse tipo de organização tem impulsionado as concorrentes Magazine Luiza e Via Varejo.

Após a operação, 100% das operações das duas empresas passarão a ser desenvolvidas pela B2W, e a proposta é que a empresa passe a se chamar Americanas S.A. O custo da cisão parcial da Lojas Americanas, de acordo com o documento de Protocolo e Justificação da operação, será de R$ 98,1 milhões.

Redução nos custos

Para a analista da MyCap, Juliana Monteiro, a junção de B2W e Lojas Americanas faz sentido e é positiva na redução de custos, gastos administrativos  e redução de risco. “Havia risco imputado a ambas pela falta de entendimento de como eram feitas as contas das empresas e em razão da codependência entre elas”, explica. 

“No curtíssimo prazo, a B2W deve se beneficiar mais, uma vez que há expectativa de melhora de margens, mas no médio a longo prazo, Americanas se beneficia porque não terá mais de aportar capital na B2W por inaficiência operacional”, indica Monteiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.