FABIO MOTTA / ESTADÃO
FABIO MOTTA / ESTADÃO

bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Fusão de ministérios

Tal projeto viria por simplificação administrativa ou redução de custos; manifestações em sentido contrário têm a ver com manutenção de estruturas protecionistas

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

25 de outubro de 2018 | 21h30

O candidato do PSL, Jair Bolsonaro, avisou que reduziria o atual número de ministérios de 28 para 15, mas recuou, ao menos em parte, diante das primeiras reações contrárias.

A fusão de ministérios viria por simplificação administrativa ou redução de custos. As primeiras manifestações em sentido contrário têm a ver com manutenção de estruturas protecionistas.

O projeto de fusão entre o Ministério da Agricultura e o Ministério do Meio Ambiente não faz sentido. Ainda que a preservação florestal tenha algo a ver com a agropecuária e, nessas condições, poderia levar as duas pastas a se entenderem sobre o assunto – o que é discutível –, a defesa do meio ambiente é assunto complexo demais para ser confiado apenas ao Ministério da Agricultura. Meio ambiente é também preservação das condições do ar que, até certo ponto, tem mais importância nas grandes metrópoles e está ligada à política energética. E é, também, preservação do mar e dos rios e demais recursos hídricos, que nada tem a ver com agricultura.

Mas a inclusão do Ministério da Indústria e do Comércio num ministério mais amplo, o da Economia e Planejamento, faz, sim, muito sentido.

A reação imediata veio das associações dos empresários, porque a união dos ministérios desmancharia boa parte do seu jogo de preservação de privilégios. Nesse caso, predomina ainda no Brasil, a concepção corporativista do governo Getúlio Vargas. Ela não se manifestou apenas na construção de uma estrutura sindical, com representações classistas de trabalhadores e de empregadores. Mas se estendeu, também, ao organograma de governo. O Ministério do Trabalho passou a cuidar dos interesses dos trabalhadores; o da Agricultura tratou dos interesses da agropecuária; e o da Indústria e do Comércio, dos interesses dos empresários. Assim, cada um desses ministérios se transformou em centro de lobby e de influência destinado a prover a maior porção de brasas para as sardinhas de determinados segmentos da economia e vice-versa.

A ideia de fusão de ministérios seria boa oportunidade para o desmonte dessa estrutura corporativista. E há mais razões para acabar com ela. Trata-se de garantir o essencial na execução da política macroeconômica, que é cuidar da preservação e do fortalecimento dos fundamentos da economia: contas públicas em ordem, baixo nível de inflação, comércio exterior robusto, etc. O resto vem por acréscimo.

Não há política industrial, nem política agrícola, nem política comercial que se mantenham de pé se os fundamentos da economia não forem sólidos. É essa solidez que garante o nível de confiança necessário para que os demais setores caminhem mais ou menos espontaneamente: investimentos, crescimento econômico e emprego.

De que adiantaria uma política industrial sem um mínimo de estabilidade no câmbio, sem juros baixos e sem um mercado financeiro saudável que provenha crédito farto a um custo acessível a todo o setor produtivo?

A indústria automobilística foi a primeira a se insurgir contra o projeto de fusão dos ministérios porque sabe que melhor conseguiria garantir subsídios e desonerações fiscais (sempre combatidos pela Fazenda) e mais proteção alfandegária se pudesse continuar contando com os defensores mais ou menos institucionalizados dos seus interesses encastelados dentro do Ministério da Indústria e do Comércio.

​» Setor robusto

As contas externas continuam sendo o setor que mais vem dando tranquilidade à macroeconomia brasileira. O déficit em transações correntes até setembro segue dentro do previsto, em 0,53% do PIB, largamente compensado pela entrada de dólares. Apesar das incertezas eleitorais, os Investimentos Diretos no País seguem no mesmo ritmo de 2017, em pouco mais de US$ 52 bilhões no acumulado até setembro. Desses, US$ 18,8 bilhões corresponderam a empréstimos intercompanhia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.