Fusões e aquisições crescem em volume 43% no 1º semestre

O volume anunciado de fusões e aquisições no Brasil cresceu 43% e somou R$ 84,8 bilhões no primeiro semestre. Foi o maior volume para o período desde 2006, segundo dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima). Ao todo, foram anunciadas 59 operações.

Altamiro Silva Júnior, O Estado de S.Paulo

19 de agosto de 2010 | 00h00

O destaque ficou por conta da aquisição de empresas estrangeiras por brasileiras, que representa 46,6% do total das fusões e aquisições do período. Segundo a Anbima, esse dado mostra o avanço das empresas brasileiras como compradoras globais. Nos seis primeiros meses de 2010 foram feitas 18 operações desse tipo. Boa parte dos negócios, 77,1% do total, foi a compra de empresas europeias.

As aquisições entre empresas brasileiras movimentaram R$ 17,8 bilhões. A maior operação do período foi a joint venture entre a Shell e a Cosan, que movimentou R$ 11,6 bilhões. Em segundo lugar aparece a venda dos ativos de alumínio da Vale para a Norsk Hydro, por R$ 8,5 bilhões.

As operações efetivamente concluídas no 1º semestre somaram R$ 37,2 bilhões, em 31 negócios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.