Futuro do Google intriga investidores

Com a perda de fôlego dos rendimentos com publicidade no 3º trimestre, analistas questionam quais são as alternativas da empresa para crescer

CONOR DOUGHERTY , THE NEW YORK TIMES, O Estado de S.Paulo

18 de outubro de 2014 | 02h04

O Google continua a ganhar dinheiro rapidamente, mas Wall Street está faminta para saber qual será a próxima jogada da empresa.

Em teleconferência com analistas na quinta-feira, após o Google ter informado seu rendimento para o terceiro trimestre, as perguntas vieram com força total: como o Google pretende concorrer com o novo sistema de pagamento da Apple? Será que o YouTube pode se tornar mais popular do que a televisão? Será que o Google fala sério quando anuncia que vai concorrer com a Amazon nos serviços de entrega no mesmo dia?

O problema é que, no informe de rendimentos, o gigante da internet mostrou sinais de que seu empreendimento ultrarrentável na publicidade para buscas estaria começando a perder fôlego.

O que preocupa os investidores é que a galinha dos ovos dourados da empresa - seu mecanismo de busca - está mostrando sinais de envelhecimento. Os cliques pagos em anúncios tiveram aumento de 17% no terceiro trimestre em comparação com o mesmo período do ano anterior. Mas, no segundo trimestre, os cliques pagos tiveram volume 25% superior ao volume de um ano antes.

"A atividade central do Google, organizando buscas, é o melhor modelo de negócios já criado para a internet", disse Jordan Rohan, fundador da consultoria Clearmeadow Partners. "Todos os demais empreendimentos do Google parecem simplórios em comparação às buscas."

Outra preocupação envolve a métrica do custo por clique, que vem caindo há vários anos conforme as pessoas passam mais tempo nos celulares, cujas telas menores dificultam o posicionamento de anúncios. No terceiro trimestre, a métrica do custo por clique caiu novamente, acumulando queda de 2% no ano e mantendo-se inalterada em relação ao trimestre anterior.

Os executivos do Google destacam que a publicidade para celulares ainda é algo novo - corresponde a cerca de 11% dos gastos com publicidade nos EUA, de acordo com a firma de pesquisas eMarketer. "Acho que precisamos apenas continuar inovando e fazendo experimentos aqui até acertar", disse Omid Kordestani, diretor de negócios do Google.

Apesar dos desafios, o Google continua sendo uma empresa de rápido crescimento. O rendimento no terceiro trimestre aumentou 20%, chegando a US$ 16,5 bilhões. E a empresa está ganhando dinheiro de muitas maneiras novas. A renda proveniente de "outras fontes", principalmente da loja de aplicativos Google Play Store, teve alta de 50% em relação ao mesmo trimestre do ano passado, chegando a US$ 1,8 bilhão.

Mas os custos com pesquisa e desenvolvimento aumentaram muito, chegando a US$ 2,7 bilhões. "Enquanto as atividades principais da empresa forem prósperas, tudo bem, mas, se apresentarem desaceleração dramática, teremos um problema", disse Ben Schachter, analista da Macquarie Securities. / TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.