G-20 avalia o futuro das negociações na OMC

O ministro das Relações Exteriores da Argentina, Rafael Bielsa, abriu hoje, em Buenos Aires, a reunião do chanceleres do chamado G-20, com a participação de representantes de 14 países. No discurso de abertura, Bielsa destacou que a intenção é fazer "um encontro heterodoxo e livre, para que todos os países possam dizer quais são suas idéias, o que pensam e o que sentem depois da reunião ministerial da Organização Mundial do Comércio em Cancún.Bielsa deixou claro que a agenda não tem limitação, mas ressaltou que embora os participantes do encontro possam avaliar o que ocorreu em Cancún, o objetivo principal será o de se dedicar às discussões sobre as perspectivas futuras das negociações multilaterais. Ele também enfatizou que todos os países representados na reunião "estão comprometidos com as negociações multilaterais".Além do ministro argentino, participam da reunião os chanceleres do Brasil, Chile, Uruguai, Paraguai, México, Venezuela, Peru, Bolívia, Cuba, África do Sul, Indonésia, China e Egito. A participação da Guatemala também chegou a ser anunciada, mas ainda não foi confirmada. O chanceler brasileiro Celso Amorim, que chegou à reunião acompanhado pelo embaixador do Brasil na Argentina, Botafogo Gonçalves, não fez declarações à imprensa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.