G-20 deve pedir que economias mantenham compromissos sobre o câmbio

Documento prévio de reunião também pede que os países continuem progredindo com o reequilíbrio econômico

Danielle Chaves, da Agência Estado,

04 de julho de 2013 | 15h35

LONDRES - As maiores economias do mundo devem manter o controle dos mercados de câmbio externo e fazer progresso em direção a um reequilíbrio econômico global, de acordo com a prévia de um documento preparado para a reunião dos ministros de Finanças e representantes de bancos centrais dos países do G-20 marcada para 19 de julho, em Moscou.

"Os países do G-20 devem continuar monitorando os compromissos sobre as taxas de câmbio e progredindo com o reequilíbrio econômico global", diz o documento. A contribuição da União Europeia para isso é "reduzir a fragmentação dos mercados financeiros e romper o ciclo vicioso entre governos e bancos, especialmente implementando as medidas determinadas para a União Bancária".

O comunicado incomum contém uma série de recomendações de política macroeconômica para as maiores regiões do G-20. Segundo o documento, os EUA "devem progredir na solução para os desafios fiscais de médio e longo prazo que estão enfrentando, bem como lidar com a questão do teto da dívida".

Quanto ao Japão, o governo deve implementar um "plano de consolidação fiscal de médio prazo confiável" e implementar "reforma estruturais destinadas a estimular um crescimento sustentável". No documento os países do G-20 também pedem que a China siga adiante nos planos para reduzir a dependência e liberalizar seu setor financeiro. Fonte: Market News International.

Tudo o que sabemos sobre:
g-20cambioeconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.