G-20: EUA propõem mudança "cosmética" na política agrícola

Negociadores comerciais do G-20 (grupo de países emergentes liderados pelo Brasil) alertam que a nova política agrícola americana faz apenas mudanças "cosméticas" nos programas de ajuda aos produtores e que, portanto, as distorções no comércio vão continuar se a proposta for aprovada. Essa foi a conclusão da primeira leitura da sugestão enviada pela Casa Branca ao Congresso sobre como devem ser os subsídios nos Estados Unidos até 2011. Segundo alguns representantes do Itamaraty, não haveria um corte real de subsídios na proposta, como alegado por Washington. O G-20 montou ainda um grupo para estudar todos os impactos da nova lei americana de subsídios. Os diplomatas vão avaliar as iniciativas e montar uma estratégia com base na proposta americana. Uma das preocupações vem da Argentina. Buenos Aires afirmou estar preocupada com um pacote de US$ 3,2 bilhões na lei americana para incentivar a população a comer frutas e legumes.Segundo o embaixador da Argentina na OMC, Alberto Dumont, isso significaria na prática que o governo estaria comprando parte da produção para a distribuição, o que poderia ser outra forma de subsidiar os produtores. O G-20 ainda decidiu nesta quinta-feira começar uma revisão de todas as suas propostas para a Organização Mundial do Comércio (OMC) no setor agrícola. "Estamos mobilizados", garantiu o embaixador brasileiro em Genebra, Clodoaldo Hugueney, e que lidera os trabalhos do grupo. Com o anúncio do diretor da OMC de retomada do processo, Hugueney cancelou todas as férias de seus diplomatas e recomendou que o G-20 avaliasse suas propostas em subsídios domésticos e acesso a mercados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.