G-20 pede para zona do euro confrontar problema da dívida

Carta assinada por seis países do grupo pede que bloco pense em todas as opções para garantir estabilidade de longo prazo para o euro

Álvaro Gouveia e Gabriel Bueno, da Agência Estado,

22 de setembro de 2011 | 11h36

Os governos e instituições da zona do euro precisam agir rapidamente para resolver a crise da dívida soberana e evitar que a economia global seja contagiada, afirmaram nesta quinta-feira, 22, os líderes de seis países do G-20, em uma carta conjunta.

"A zona do euro precisa olhar para todas as opções possíveis para garantir uma estabilidade de longo prazo para a segunda maior moeda internacional do mundo", diz a carta escrita pelos líderes de Reino Unido, Austrália, Canadá, Indonésia, México e Coreia do Sul.

A carta afirma que o acordo da zona do euro de 21 de julho, que entre outras medidas amplia os poderes da linha de ajuda financeira da zona do euro, enquanto dá mais ajuda financeira à Grécia, era um importante primeiro passo.

"Os países do euro agora precisam ratificar esse acordo o mais breve possível, além de implementar reformas para lidar com déficits excessivos, aumentando a competitividade econômica e agindo agora para fortalecer os sistemas bancários", afirmaram os líderes.

A carta desta quinta-feira é uma resposta a um comunicado divulgado no dia anterior pelo presidente da França, Nicolas Sarkozy. Em seu texto, Sarkozy pedia uma ação global coordenada para fortalecer o crescimento, porém colocava a maior parte do ônus para essa retomada sobre as economias em desenvolvimento. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.