G-20 proporá regras mais rígidas para bônus, afirma Brown

Primeiro-ministro inglês diz que há consenso no grupo de que a resposta regulatória terá "de ser rígida"

MARCÍLIO SOUZA, Agencia Estado

25 de setembro de 2009 | 13h17

O G-20, grupo das 20 maiores economias do mundo, vai propor novas regras para os bônus do setor bancário que podem ser mais rígidas do que muitos esperam, disse nesta sexta-feira, 25, o primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown. Falando para jornalistas em Pittsburgh, Brown disse que o G-20 vai adotar uma "visão muito forte" com relação à remuneração e que chegou a um consenso de que a resposta regulatória terá "de ser rígida". "De qualquer modo, você verá que o comunicado será mais rígido do que as pessoas esperam que seja", disse ele.

Veja também:

link G-20: confira quais promessas foram cumpridas até agora

link Brasil e emergentes colhem vitória com G-20 mais forte

link Ativistas realizam protestos contra a cúpula do G-20

especial ESPECIAL: O G-20 e a crise 

mais imagens Veja imagens da cúpula do G-20 nos EUA

 

O primeiro-ministro reiterou que o G-20 vai substituir permanentemente o G-8 como o principal grupo de coordenação de políticas econômicas globais e de resposta à crise financeira. "Os velhos sistemas de cooperação internacional estão ultrapassados e novos sistemas começam a partir de hoje. Eu acredito que isso seja um desdobramento muito importante que poderá reassegurar às pessoas que a economia mundial estará mais bem preparada para todos os eventos futuros", disse ele.

 

Brown destacou que a frágil recuperação global ficará em jogo se as economias do G-20 removerem prematuramente o estímulo fiscal. "Milhões de empregos estão em risco" se isso ocorrer, disse Brown. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
G-20reuniãoBrown

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.