G-20 quer economia crescendo 2,1% além das previsões até 2018

Líderes mundiais elaboraram 'estratégias para amplo crescimento' e para melhorar a confiança dos consumidores e dos negócios

Efe

16 de novembro de 2014 | 08h31

Brisbane, Austrália - O Grupo dos Vinte (G-20) quer crescer 2,1% acima das previsões até 2018, segundo uma minuta da declaração final da cúpula de líderes que se encerrou neste domingo em Brisbane, Austrália.


Este crescimento representa um aumento em relação ao objetivo de 2% fixado em fevereiro pelos ministros de Finanças e que foi rebaixado para 1,8% na reunião ministerial em setembro, levando em conta que a economia mundial se desacelerava.


Na nota, os dirigentes do G-20 indicam que elaboraram "estratégias para um amplo crescimento" para restabelecer a demanda a curto prazo, eliminar obstáculos para a oferta a médio prazo e melhorar a confiança dos consumidores e dos negócios.


"A análise do FMI e da OCDE indica que a plena implementação destas estratégias elevará o PIB coletivo em 2,1% até 2018 acima da trajetória implícita nas políticas estipuladas em São Petersburgo (2013)", segundo a minuta.


Os líderes atribuem uma quarta parte deste aumento a efeitos colaterais positivos, resultado da implementação simultânea destas políticas que, além disso, impulsionaria em 0,5% o PIB dos países de fora do G-20 nos próximos cinco anos.

Tudo o que sabemos sobre:
G-20economiaAustrália

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.