G-20 rejeita regular preços agrícolas

Grupo das 20 maiores economias barra proposta do presidente francês, Nicolas Sarkozy, que está incomodado com altas recentes

Andrei Netto, O Estado de S.Paulo

24 de junho de 2011 | 00h00

Em tempos de divergências crônicas no G-20, os ministros de Agricultura do grupo reunidos ontem em Paris barraram um acordo concreto e adiaram a definição sobre a regulação das transações de commodities no mercado financeiro. O tema era o mais importante da agenda fixada pelo presidente da França, Nicolas Sarkozy, que exerce a chefia rotativa do bloco.

Apesar da indefinição, o encontro resultou em avanços: os ministros pregaram o aumento da produção agrícola mundial em 70% até 2050 e criaram um sistema de informações sobre safras, para combater a volatilidade dos preços. A reunião dos ministros, iniciada quinta-feira, se estendeu pela manhã de ontem.

Ao término, o ministro da Agricultura da França, Bruno Le Maire, mostrou-se entusiasmado. "Nós chegamos a um acordo histórico", afirmou. "Lançamos as bases de nova agricultura mundial, que será sustentável, solidária, na qual os mercados serão regulados."

Entretanto, nenhuma medida concreta sobre temas como a regulação dos produtos derivativos das commodities agrícolas, um dos focos da especulação nos mercados financeiros, foi tomada. Questionado pelo Estado, Le Maire reiterou que houve acordo - inclusive com a participação do Reino Unido, o país mais reticente -, mas, de novo, não citou nenhuma medida aprovada pelo G-20. "Há um acordo para haver uma regulação financeira dos mercados agrícolas. É algo de novo", reafirmou.

A decisão de que haja regulação - sem que uma proposta tenha sido definida - será enviada aos ministros de Finanças do G-20, que se reunirão em setembro, em Paris, e, então, vão poder tomar alguma decisão.

"O texto prevê que nós transmitamos nossas decisões, a serem adotadas no quadro da regulação financeira mais global", disse Le Maire.

Apesar do adiamento da decisão, o ministro da Agricultura do Brasil, Wagner Rossi, viu avanços. "A regulação precisa ser levada ao fórum próprio, que é o dos ministros de Finanças do G-20. Foi um grande avanço colocar esse tema na agenda das próximas reuniões", argumentou.

Entre as iniciativas concretas, os ministros anunciaram a criação do Sistema de Informação do Mercado Agrícola (AMIS), um mecanismo de coleta de informações baseado no monitoramento da produção por imagens de satélite. China e Índia, que se mostravam reticentes, participarão do sistema.

Vaivém. Os ministros esperam combater a volatilidade dos preços das commodities agrícolas por meio do sistema, sem realizar intervenções por mais controle direto no mercado - uma proposta inicial da França, recusada desde o mês de dezembro.

Além disso, os ministros concordaram em criar o Fórum de Reações Rápidas, formado por altos responsáveis do G-20, para "agir rapidamente afim de prevenir ou atenuar crises mundiais de preços alimentares", segundo o comunicado final.

Outras decisões foram de caráter retórico. Os ministros concordaram em elevar a produção agrícola mundial, "produzir mais e melhor" com o objetivo de combater a fome, que afeta 900 milhões de pessoas nos países em desenvolvimento, segundo a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO). "Para alimentar uma população mundial que deverá passar de 9 bilhões de habitantes em 2050, a produção agrícola deve aumentar 70% até lá", diz a declaração.

Entre os ministros presentes, houve satisfação. Tom Vilsack, secretário de Agricultura dos Estados Unidos, comemorou o acordo que permitirá "combater os desafios da fome e da volatilidade dos preços".

As organizações não-governamentais, como a Oxfam, não se mostraram tão satisfeitas. "O G-20 agrícola trata apenas do impacto e das consequências da volatilidade dos preços, sem atacar as suas causas", criticou a ONG.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.