G-20 tem que ser foro político, diz Lula a sindicalistas

Presidente manifesta preocupação com desemprego e cortes de benefícios em função da crise

Tânia Monteiro e Nalu Fernandes, enviadas especiais, de O Estado de S. Paulo e Agência Estado

14 de novembro de 2008 | 20h32

Ao se reunir com sindicalistas de nove entidades internacionais, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que o G-20 tem de se transformar em um foro também político e não apenas econômico. Na conversa, Lula manifestou preocupação com o desemprego e defendeu a manutenção dos benefícios já alcançados pelos trabalhadores, apesar da crise. Ele condenou as medidas que começam a ser adotadas por empresas de todo o mundo e que, em alguns casos, estão reduzindo vantagens dos trabalhadores e dando início às primeiras movimentações nas indústrias em direção a demissões e cortes.  "Não adianta cortar salários e os benefícios dos trabalhadores porque isso só reduz o dinheiro circulante. Temos é de construir soluções para que o dinheiro volte a circular", comentou o presidente na audiência, conforme relato de um dos presentes, o representante da CUT, Wagner de Moraes. Na conversa, Lula insistiu que é preciso reformar organismos como o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI) que passaram o tempo todo "tomando conta" dos países em desenvolvimento e se esqueceram dos países ricos, responsáveis pela crise mundial. A necessidade de reforma das instituições financeiras, adoção de medidas conjuntas e rápidas voltará a ser defendida amanhã, por Lula, na duas rápidas intervenções que fará na reunião do G-20 em Washington.

Tudo o que sabemos sobre:
G-20crise. Lulasindicalistas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.