G-20 vai dar passo importante para melhorar projeções globais, diz Obama

Presidente dos EUA é um dos participantes do encontro do G-20, no qual lideranças tentarão fechar um plano para lidar com a crise que ameaça a fraca recuperação da economia mundial

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

18 de junho de 2012 | 15h07

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que os resultados das eleições na Grécia são muitos bons para o país e que os principais líderes mundiais tomarão na reunião do G-20 nesta semana um passo "importante" para estabilizar os mercados mundiais voláteis em razão da crise da dívida da Europa.

"A eleição de ontem na Grécia indicou um prospecto positivo não só de que eles formarão um governo, mas também de que trabalharão construtivamente com seus parceiros internacionais para que possam continuar no caminho das reformas", afirmou Obama, de acordo com um comunicado.

O presidente chegou no final da noite de ontem em Los Cabos, onde os chefes de Estado do G-20 tentarão fechar um plano para lidar com a crise que ameaça a fraca recuperação da economia mundial.

Após uma reunião com o presidente do G-20, o presidente do México Obama, Felipe Calderón, Obama disse que eles estavam "confiantes de que a cúpula será muito produtiva", apesar de altos funcionários do governo norte-americano terem dito que há pouco que os EUA possam fazer para conduzir os líderes da UE para a solução da crise, além da pressão de seus pares e de oferecer conselhos.

Além disso, Obama afirmou que a cúpula permitirá que os líderes adotem "um passo importante em uma série de medidas que vão ser exigidas para que os prospectos econômicos mundiais continuem a melhorar".

Espera-se que o G-20 assine um acordo alcançado pelo grupo em abril de oferecer mais de US$ 430 bilhões em novos recursos para o Fundo Monetário Internacional (FMI). Esse dinheiro pode ser necessário para ajudar a Europa a socorrer duas de seus maiores economias problemáticas, Espanha e Itália, se os líderes não forem capazes de conter rapidamente as suas dívidas e problemas bancários.

"Agora é um momento, como já discutido, para se certificar de que todos nós estamos fazendo o que é necessário para estabilizar o sistema financeiro mundial, para evitar o protecionismo", disse Obama.

O presidente declarou que o G-20 vai trabalhar com os seus parceiros europeus "para ter certeza que estamos contribuindo para que a economia cresça, a situação se estabilize, a confiança retorne aos mercados e, o mais importante, para que nossos povos tenham a possibilidade de trabalharem duro para ter sucesso e progredirem."

O mundo, acrescentou Obama, "está muito preocupado com a desaceleração do crescimento que tem ocorrido."

As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
Obamacriseestados UnidosGréciaG-20

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.