coluna

Louise Barsi explica como viver de dividendos seguindo o Jeito Barsi de investir

G-7 recusa protecionismo e quer reforma do sistema financeiro

Grupo das maiores potências industriais afirma que estabilização da economia é sua principal prioridade

Agências internacionais,

14 de fevereiro de 2009 | 12h04

Os ministros de Finanças do G-7, grupo das sete maiores potências industriais do mundo, fixaram neste sábado, 14, como a maior prioridade a estabilização da economia e dos mercados financeiros, comprometendo-se a lutar contra o protecionismo e a favor da reforma do sistema financeiros mundial, sugerindo que todos têm que trabalhar juntos e usar as opções políticas possíveis para o máximo de efeito coletivo. No comunicado divulgado após o encerramento do encontro de dois dias do grupo em Roma, neste sábado, os Ministros das Finanças e presidentes dos bancos centrais das maiores economias do mundo prometeram retomar as negociações da rodada Doha de livre comércio, destacaram a necessidade da retomada do fluxo de capital para as economias emergentes e em desenvolvimento.   Veja também: Com pacote aprovado, Obama quer agir rápido Entenda o novo plano dos EUA para resgatar bancos De olho nos sintomas da crise econômica  Dicionário da crise  Lições de 29 Como o mundo reage à crise   O G-7 também concordou em estabelecer princípios para nortear as iniciativas de política fiscal de cada um dos países do grupo. Os sete países membros do G-7 são os Estados Unidos, a Alemanha, o Reino Unido, o Japão, a França e Itália e o Canadá. O encontro foi iniciado na sexta, durante um jantar. "O G-7 permanece comprometido em evitar medidas protecionistas, que apenas acentuariam a desaceleração, para que não haja a criação de novas barreiras e em trabalhar em direção a uma rápida e ambiciosa conclusão da rodada Doha", de comércio, diz o comunicado. A França, que está sendo criticada por seu programa de ajuda às montadoras, voltou a defender-se. "O plano para a indústria automotiva não é protecionista", disse a ministra das Finanças do pais, Christine Lagarde.   O comunicado do G-7 disse que a estabilização da economia mundial e do sistema financeiro global é a maior prioridade do grupo e que os países trabalharão juntos, utilizando um amplo número de instrumentos, para atingir tais objetivos. Os membros do G-7 disseram ainda que tomarão novas medidas para recuperar a confiança, mas que a resposta dada até o momento à crise financeira global tem sido rápida e vigorosa e que o resultado aparecerá ao longo do tempo.   O G-7 destacou a necessidade de reforma do sistema financeiro global, para corrigir pontos fracos que ficaram evidentes ao longo da crise. O grupo voltou a falar sobre a necessidade de dar suporte aos países emergentes e em desenvolvimento, para que tenham acesso ao crédito e ao financiamento para o comércio, para a retomada do fluxo de capital, acrescentando um compromisso de "explorar urgentemente" maneiras de melhorar tal assistência.   O comunicado destaca ainda os esforços feitos pela China para permitir que a cotação de sua moeda oscile com maior flexibilidade. "Consideramos bem-vinda e apreciamos a pronta resposta macroeconômica de outros países pelo mundo. Em particular, apreciamos as medidas fiscais da China e seu contínuo compromisso em tornar sua taxa de câmbio mais flexível, o que deverá levar a uma contínua apreciação do yuan, em termos efetivos, e ajudar a promover um crescimento mais equilibrado da China e das economias mundiais", diz o comunicado.   O G-7 também concordou em estabelecer princípios que deveriam ser aplicados às iniciativas de política fiscal de cada um dos países do grupo. Os Ministros das Finanças disseram que os pacotes de estímulo deveriam ser executados rapidamente, incluir um mix apropriado de gastos elevados e cortes de impostos para alimentar a demanda doméstica e a criação de empregos. As medidas aplicadas deveriam também ser direcionadas aos pontos fracos estruturais de cada economia, de modo a favorecer o crescimento no longo prazo. Entretanto, diz o comunicado, as medidas de estímulo fiscal devem "ser consistentes com a sustentabilidade fiscal no médio prazo" e temporárias.   Matéria atualizada às 13h50.

Tudo o que sabemos sobre:
G7crise financeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.