G-7 vê necessidade para ação urgente sobre a crise

'Nos comprometemos a continuar trabalhando juntos para estabilizar os mercados financeiros', diz nota

Suzi Katzumata,

10 Outubro 2008 | 19h51

Os ministros de Finanças e presidentes dos bancos centrais do  Grupo dos sete (G-7), grupo de países  mais industrializados do mundo, disseram que vão adotar ações urgentes e excepcionais para lidar  com o aperto no crédito global e que vão usar todos os instrumentos disponíveis para proteger firmas  financeiras importantes para o sistema do colapso.   Veja também: Como o mundo reage à crise  Confira as medidas já anunciadas pelo BC contra a crise Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise A cronologia da crise financeira  Veja como a crise econômica já afetou o Brasil    Segundo o comunicado oficial do grupo,  ficou acordado que "a atual situação pede ação urgente e excepcional". "Nos comprometemos a  continuar trabalhando juntos para estabilizar os mercados financeiros e restaurar o fluxo de crédito para  dar suporte ao crescimento econômico global".   Entre as medidas a serem tomadas, estão a adoção decisiva de todos os instrumentos disponíveis para dar suporte a instituições financeiras importantes ao sistema e evitar sua falência descongelar os mercados de crédito e assegurar que os bancos e outras instituições financeiras tenham amplo acesso à liquidez e financiamento. Também garantir que depósitos sejam robustos e consistentes para que nossos depositantes de varejo continuem a ter confiança na segurança de seus depósitos; ação, quando apropriado, para reiniciar os mercados secundários para ativos hipotecários e outros ativos securitizados.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.