G20 debate estratégias para retirar estímulo econômico

Líderes mundiais de finanças mudaram o foco da luta contra a crise para reformas no setor bancário, diante de mais evidências de que a pior recessão global em décadas está finalmente chegando ao fim.

SUMEET DESAI E ANNA WILLARD, REUTERS

04 de setembro de 2009 | 16h56

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Timothy Geithner, pediu exigências mais duras de capital dos bancos, com o objetivo de evitar práticas mais arriscadas de empréstimos que foram apontadas como causa da crise. Outra grande potência do setor bancário, a Inglaterra, apoia a posição dos EUA.

Mas a criação de um consenso mais amplo entre os minitros de Finanças do G20, que se reúnem neste final de semana em Londres, pode ser difícil. A ministra de Finanças da França, Christine Lagarde, disse que a revisão das atuais regras de capital, conhecidas como Basileia II, deve ser suficiente.

Enquanto o grupo prepara a reunião de chefes de Estado no final do mês nos EUA, houve amplo entendimento em pelo menos um assunto: ninguém tem pressa de retirar o apoio financeiro emergencial até estar certo de que a retomada é sustentável.

"Há o perigo de pessoas dizerem que o trabalho já foi feito e que agora podemos acelerar e voltar ao normal", disse à Reuters o ministro de Finanças inglês, Alistair Darling. "Já cometemos esses erros antes --o mais evidente sendo nos EUA, no final dos anos de 1930, que viram uma recuperação na hora errada e voltaram a cair em recessão de novo."

Fontes do G7 afirmaram à Reuters que o comunicado do G20, que deve ser divulgado no sábado, provavelmente irá reiterar a promessa de manter políticas expansionistas pelo tempo que for necessário.

Líderes de Brasil, Rússia, Índia e China, os quatro mercados emergentes que compõem as economias do Bric, reuniram-se com Geithner. Eles pediram, em comunicado, mais voz nos organismos financeiros globais do que a oferecida pelos EUA e pela União Europeia até agora.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROGVINTECONSOLIDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.