Juan Mabromata/AFP
Juan Mabromata/AFP

ESG

Coluna Fernanda Camargo: É necessário abrir mão do retorno para fazer investimentos de impacto?

G20 defende reformas na OMC e reafirma compromisso com Acordo de Paris

Documento final da reunião de cúpula, encerrada hoje na Argentina, cita que resultados da entidade estão aquém dos objetivos

Altamiro Silva Junior e Anne Warth, BUENOS AIRES

01 de dezembro de 2018 | 16h22

O comunicado final da reunião de cúpula do G20 defende uma reforma na Organização Mundial do Comércio (OMC). O documento reafirma a contribuição do sistema multilateral de comércio, mas os líderes ponderam que seus resultados estão aquém dos objetivos e reconhecem que há espaço para melhora.

“Nós assim apoiamos uma necessária reforma na OMC para melhorar seu funcionamento”, diz o texto, sem deixar claro que regras poderão ser modificadas. Não há qualquer menção à escalada de medidas protecionistas por parte dos membros do G20, mas apenas uma menção a “questões comerciais”.

Sobre o Acordo de Paris, o comunicado explicita que os países signatários do tratado reafirmaram o compromisso com sua implementação completa, refletindo responsabilidades comuns e diferenciadas, conforme suas respectivas capacidades e circunstâncias próprias. O documento menciona que, para os membros do acordo, ele é irreversível. “Vamos continuar a lidar com a mudança climática enquanto promovemos o desenvolvimento sustentável e o crescimento econômico”, diz o texto.

No documento, os Estados Unidos reiteraram sua decisão de deixar o Acordo de Paris e afirmam seu compromisso com o crescimento econômico e acesso à energia com segurança, assegurando o uso de todos os tipos de fontes de energia e tecnologias, além da proteção ao meio ambiente. 

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, também já sinalizou a intenção de sair do acordo em um de seus discursos. Durante a cúpula, porém, Michel Temer tentou minimizar essa possibilidade, ressaltando que uma coisa é o que se discute agora, e outra é quando um presidente faz quando toma posse.

Desigual

O comunicado avalia que o crescimento mundial ainda segue forte, mas reconhece que ele tem se tornado "crescentemente" mais desigual entre os países. Além disso, riscos-chave, incluindo a vulnerabilidade financeira, se materializaram parcialmente.

O texto nota que há "questões comerciais" afetando a economia mundial, mas não fala em aumento da tensão. Os líderes do grupo reafirmam a intenção de usar todos os instrumentos possíveis para se alcançar um crescimento forte, sustentável e equilibrado e trabalhar para conter riscos de piora da atividade.

Antes do G20, o Fundo Monetário Internacional (FMI) já havia alertado para indícios de que a atividade mundial pode estar sofrendo desaceleração em ritmo mais forte que o inicialmente esperado.

"A política monetária vai continuar a apoiar a atividade econômica e assegurar a estabilidade de preços", ressalta o texto, que também fala da necessidade de se avançar com reformas estruturais, da construção de amortecedores fiscais, assegurando que a trajetória da dívida pública é sustentável.

O texto destaca ainda a necessidade de os países investirem em infraestrutura, mas ressalta que é essencial a atração de recursos do setor privado. 

Temer, que retornou ao Brasil antes do encerramento do G20, usou seu último discurso na plenária da reunião também para falar de infraestrutura e defendeu, como forma de atrair recursos privados para o financiamento das obras, a possibilidade de conversão de projetos em títulos comercializáveis, com o objetivo de criar nova classe de ativos financeiros vinculados à infraestrutura.

Japão sedia novo encontro

O presidente argentino Mauricio Macri encerrou nesta tarde o G20 em cerimônia que transmitiu a presidência rotativa do grupo para o Japão, que será sede das reuniões de cúpula em 2019 e escolheu a cidade de Osaka para sediar os encontros. O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, participou da cerimônia.

As reuniões no Japão já têm datas definidas. A principal delas é a de cúpula, marcada para os dias 28 e 29 de junho, e deve contar com a participação de Bolsonaro, a primeira do presidente eleito em encontros do G20. Já os ministros da Fazenda e presidentes de bancos centrais vão se reunir um pouco antes, em 8 e 9 do mesmo mês.

"O G20 foi um momento de enorme responsabilidade", disse Macri na cerimônia. Somente na Argentina foram mais de 80 reuniões este ano. No ano passado, a presidência do grupo foi da Alemanha e a reunião de líderes foi na cidade de Hamburgo, marcada por uma série de protestos. Em Buenos Aires, a reunião foi realizada em local afastado do centro, mas houve protestos na praça em frente ao Congresso.


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.