G20 pede a liberalização do comércio internacional

Os ministros de Finanças e governadores dos bancos centrais dos países que formam o G20, reunidos em Xianghe, no nordeste chinês, pediram neste domingo uma rápida liberalização do comércio internacional.Durante uma entrevista coletiva realizada no segundo dia de reuniões, os participantes pediram "promover a liberalização do comércio, lutar contra o protecionismo e realizar progressos com vistas à reunião ministerial da OMC que acontecerá em Hong Kong em dezembro".A reunião da Organização Mundial do Comércio (OMC) em Hong Kong terá por objetivo concluir as negociações sobre a rodada de Doha antes do fim de 2006."Estamos de acordo que uma rodada de Doha que termine de forma bem-sucedida é decisiva para assegurar que a globalização realmente beneficia todos os países, e será crítica para contribuir para reduzir a pobreza segundo os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio da ONU", afirmaram os ministros em comunicado.Assuntos discutidosDurante a entrevista coletiva, os ministros explicaram os assuntos que seriam discutidos desde que o G20 iniciou sua sétima reunião ontem em Xianghe, 52 quilômetros ao sudeste de Pequim.A reforma das instituições de Bretton Woods (Fundo Monetário Internacional, FMI; e o Banco Mundial, BM) e o alerta sobre o aumento dos preços do petróleo como o principal risco para o desenvolvimento da economia global foram os temas principais das reuniões.Além disso, os desafios do envelhecimento populacional, a escassez de matérias-primas e a proteção do meio ambiente, as mudanças demográficas e os movimentos migratórios, assim como a emergência das novas potências asiáticas e sua repercussão no consumo de energia estão na pauta de discussão.A reunião terminará na tarde de hoje, com o anúncio de um comunicado conjunto.Formação do G20Criado em 1999, o G20 inclui as maiores nações industrializadas do mundo e representa 90% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial e dois terços da população do mundo.Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, China, França, Alemanha, Índia, Indonésia, Itália, Japão, México, Coréia do Sul, Rússia, Arábia Saudita, África do Sul, Turquia, Reino Unido, Estados Unidos e a Presidência da União Européia (UE) formam o G20, além de observadores de entidades como o Banco Mundial (BM) e o FMI.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.