G8 fecha acordo para reduzir emissões pela metade até 2050

Os países que compõem o G8,grupos dos sete países mais industrializados do mundo mais aRússia, deixaram de lado grandes divergências e anunciaramnesta terça-feira que trabalharão na direção de uma meta depelo menos reduzir pela metade a emissão global de gases doefeito estufa até 2050. Os líderes dos oito países enfatizaram, no entanto, que nãopoderão cumprir essa meta sozinhos. Em comunicado oficial divulgado durante uma cúpula no nortedo Japão, os líderes do Grupo dos Oito também concordaram emestabelecer metas intermediárias anteriores a 2050, sem, noentanto, estabelecer números. A menção a metas intermediárias é um avanço em relação aoencontro do ano passado, realizado na Alemanha, quando o G8concordou apenas em "considerar seriamente" uma meta parareduzir pela metade as emissões até a metade deste século. Mas o apelo aos países que participam das negociações sobremudança climática na Organização das Nações Unidas (ONU) paraque também "considerem e adotem" as metas para 2050 satisfez osEstados Unidos, que afirmaram não poder concordar com metasobrigatórias a não ser que grandes poluidores como China eÍndia também cortem suas emissões. Dan Price, assistente do presidente George W. Bush paraassuntos de economia internacional, afirmou que a declaraçãorefletiu que "o G8 sozinho não pode lidar efetivamente com amudança climática, não pode efetivamente atingir esta meta, masque são necessárias contribuições de todas as grandeseconomias". A União Européia e o Japão vinham pressionando para que oencontro deste ano fosse além de apenas "considerar" a metapara 2050, e Bruxelas também insistiu na necessidade de metasintermediárias. As negociações lideradas pela ONU têm o objetivo de criaruma nova estrutura a ser adotada quando o Protocolo de Kyotovencer em 2012. Elas devem ser concluídas em dezembro de 2009em Copenhaguem. O G8 é formado por Japão, Grã-Bretanha, Canadá, Alemanha,França, Itália, Rússia e Estados Unidos. (Reportagem adicional de Linda Sieg, Yoko Nishikawa, DavidFogarty, Chikafumi Hoda, Chisa Fujioka, Yoko Kubota, AlanWheatley, Lucy Hornby, Gernot Heller e David Ljunggren)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.