Gabas: aposentado nunca teve alta real na gestão tucana

A exemplo do que fez seu colega do Trabalho, Carlos Lupi, na terça-feira, 19, o ministro da Previdência, Carlos Eduardo Gabas, aproveitou a entrevista para jornalistas na manhã de hoje sobre o resultado da Previdência de setembro para alfinetar o candidato à Presidência pelo PSDB, José Serra, ainda que não tenha citado o nome dele. "Eu sei o que eles fizeram com a Previdência e não sei se é verdade o que estão prometendo", afirmou. Durante a atual campanha eleitoral, o tucano tem afirmado que concederá reajuste de 10% aos aposentados e pensionistas do País.

CÉLIA FROUFE, Agencia Estado

21 de outubro de 2010 | 13h23

O ministro comentou também que, quando os tucanos estavam no poder federal, os aposentados nunca tiveram um aumento real de salário, já descontada a inflação do período. Disse ainda que, quando a proposta foi feita por Lula, a resposta obtida foi de que se tratava de uma "medida demagógica".

Segundo Gabas, o presidente Lula apenas tornará a discutir assuntos como reajuste a aposentados e pensionistas e aumento do salário mínimo com o candidato que sair vitorioso no segundo turno da eleição, que ocorrerá no fim deste mês. Na terça-feira, Lupi também abriu a frente de combate e, sem citar nomes, criticou o candidato Serra, que promete um salário mínimo para o próximo ano de R$ 600, maior do que aquele que está previsto para ser aprovado pelo Congresso Nacional. "Quem calcula, quem decreta o salário mínimo é o atual presidente. As pessoas prometem aquilo que não podem fazer, deveriam fazer revisão de suas promessas", afirmou o ministro, na ocasião.

Ele ressaltou também que a única forma de ampliar o salário para 2011 é com "uso maciço de emendas pelo PSDB". "O PSDB poderá votar majoritariamente. Nunca fez isso, mas quem sabe sejam tomados por um fervor cívico", ironizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.