Gabinete de Segurança Nacional realiza reunião emergencial sobre paralisação

Temer também se reúne com secretários de Fazenda dos Estados para avaliar alíquotas do ICMS, parte mais expressiva do imposto sobre combustíveis

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

25 Maio 2018 | 11h04

O Gabinete de Segurança Institucional realiza na manhã desta sexta-feira uma reunião, no Palácio do Planalto, com diversos ministros para avaliar o quadro real de paralisação de caminhoneiros no País, no quinto dia de mobilização. "Nós teremos uma reunião de avaliação para entender qual é o quadro efetivamente no País e as medidas necessárias para poder assegurar o abastecimento da população, que não pode pagar por essa paralisação", disse ao Estado o ministro-chefe do GSI, general Sérgio Etchegoyen.

+ AO VIVO: Siga a greve dos caminhoneiros pelo Brasil

Ele lembrou que o governo assinou um acordo com várias entidades de caminhoneiros ontem à noite e os líderes deveriam ter conseguido começar a resolver o problema, com o fim da paralisação, mas eles não conseguiram nada e o acordo não foi cumprido. "Estamos avaliando o que está acontecendo, qual a intensidade do movimento e dos bloqueios, qual a tendência dele", afirmou ele, informando que convidou para esta reunião ministros e representantes da Casa Civil, Defesa, Segurança Pública, Advocacia da União, Transportes e entre outros.

+ Perguntas e respostas sobre a manifestação dos caminhoneiros

Daqui a pouco, no Planalto, será realizada também uma reunião do presidente Michel Temer com os secretários de Fazenda dos Estados. O governo quer que os Estados, que cobram ICMS de parte expressiva de imposto do diesel deem sua contribuição e também reduzam sua margem de cobrança para ajudar a solucionar o problema.

A Casa Civil vai voltar a procurar os líderes dos movimentos para fazer novo apelo para que consigam convencer seus companheiros a voltar ao trabalho. O governo teme que a paralisação prossiga por mais tempo e aí sim se instale o caos no País. Embora evitem falar em caos , o sentimento é de que a situação pode começar a sair do controle.

 + WHATSAPP:  Como a paralisação dos caminhoneiros está afetando a sua vida?

 

Mais conteúdo sobre:
greve caminhoneiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.