finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Gabrielli: Lula tinha conhecimento da compra da Suzano

O presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli, disse hoje que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tinha conhecimento da operação de aquisição da Suzano Petroquímica pela empresa. "Lula conhece as linhas gerais e a estratégia da operação", disse. Segundo ele, a operação foi aprovada pelo conselho de administração da Petrobras, do qual fazem parte os ministros da Fazenda, Guido Mantega, e da Casa Civil, Dilma Rousseff.Segundo Gabrielli, a Petrobras comprou a Suzano para resolver o impasse que havia entre a Suzano e a Unipar nas negociações para a consolidação do Pólo Petroquímico do Sudeste. Gabrielli explicou que a Suzano resistia à idéia de se adotar uma fórmula tripartite para administrar o pólo, dividindo o pólo entre Petrobras, Unipar e Suzano. A Suzano, informa Gabrielli, não abria mão de ter poder de veto neste consórcio tripartite. A informação foi confirmada pelo vice-presidente executivo e diretor de Relações com Investidores na Suzano Holding, Fabio Eduardo Spina, que participou junto com Gabrielli de audiência pública hoje na Câmara dos Deputados. Segundo Spina, a fórmula tripartite não interessava à Suzano. Gabrielli comentou que, tendo em vista este impasse, a Petrobras resolveu dar o passo seguinte e adquirir a Suzano. Segundo o presidente da Petrobras, optou-se pela compra da Suzano e não da Unipar porque a negociação seria mais fácil. Ele explicou que, como o Grupo Suzano atua em outra área de negócios - a indústria de papel e celulose -, seria mais fácil comprar a Suzano Petroquímica do que a Unipar, que só atua no setor petroquímico.PreçoDurante a audiência pública, Gabrielli também rebateu as acusações de parlamentares de que o preço pago pelo controle da Suzano Petroquímica de R$ 2,7 bilhões tenha sido excessivo. "Pagamos o preço adequado e justo", afirmou, acrescentando que o banco ABN Amro, que assessorou a Petrobras na operação, havia estimado que o negócio deveria ser fechado por algum valor entre R$ 2,4 bilhões e R$ 3 bilhões.var keywords = "";

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.