Gafisa e Abyara são as grandes campeãs

A primeira conquistou o topo do ranking das construtoras e das incorporadoras, enquanto a imobiliária alcançou 1º lugar entre as vendedoras

Heraldo Vaz, O Estado de S.Paulo

09 Junho 2016 | 05h35

Gafisa e Abyara Brokers são as campeãs da 23ª edição do Top Imobiliário. A primeira venceu tanto na categoria das incorporadoras como na das construtoras. A Abyara conquistou o topo do pódio entre as vendedoras.

Criado pelo Estado em parceria com a Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp), o prêmio consagra as dez empresas que, em três áreas de negócios, registram melhor desempenho e maior participação de mercado na capital e Região Metropolitana de São Paulo.

Segundo a Embraesp, responsável pelo ranking, a Gafisa lançou no ano passado 15 empreendimentos, com 3.499 unidades, que totalizam 298 mil m² de área construída e valor geral de vendas (VGV) de R$ 1,2 bilhão.

Em 2015, a Abyara participou de 30 lançamentos, com 5.634 unidades e VGV de R$ 2,37 bilhões. Sua carteira reúne o segmento econômico – de R$ 150 mil a R$ 280 mil – até produtos de altíssimo padrão, como o Onze 180 Ibirapuera, com unidades de quatro dormitórios, área de 294m² e preço de R$ 7,2 milhões a R$ 7,5 milhões – em média, R$ 25 mil/m². Foi o segundo lançamento mais caro da cidade, atrás dos apartamentos do Saint Paul, no Jardim Europa, que custam R$ 19,9 milhões, segundo a Embraesp.

Para o vice-presidente comercial da Abyara, Bruno Vivanco, o altíssimo padrão não tem crise. “Quem sofre é a classe média”, diz. “Alto luxo tem pequena produção e demanda estável.”

Vivanco destaca participação do segmento econômico no total de vendas realizadas pela Abyara, que dobrou de 20% para 40% em dois anos. O “fortalecimento do pilar econômico”, segundo ele, foi decisivo para a vitória no Top Imobiliário. Nessa faixa do mercado, a Abyara vendeu três edifícios listados entre os cinco mais baratos. Com preços de R$ 156 mil a R$ 174 mil, Mirante Guaianazes, Jardins Itaquera e Nova Itaquera, na Zona Leste, são projetos da Tenda, braço do grupo Gafisa para imóveis populares.

Demanda. O Sindicato da Habitação (Secovi-SP) fechou 2015 computando a venda de 20.148 apartamentos novos, resultado 6,6% abaixo de 2014. A faixa até R$ 225 mil foi a única que registrou crescimento, com 4.924 moradias vendidas – 24% do total. Em 2014, eram 12%. É um ajuste dos prédios para população de menor renda, faixa que concentra maior demanda da cidade, diz o Secovi no balanço anual. “Nessa faixa de preço, a oferta é pequena, mas há maior demanda”, diz o economista-chefe do Secovi, Celso Petrucci.

“A deficiência do mercado é conseguir atender a essa faixa”, opina Vivanco, destacando como um dos empreendimentos de sucesso, o Barra Viva, com incorporação da Gafisa e construção do grupo Bueno Netto. São 18 pavimentos com 221 unidades – sala e quarto de 31m² – e preço de R$ 200 mil.

“Inovação, qualidade e eficiência são atributos chave em nosso negócio”, diz Sandro Gamba, CEO da Gafisa, também premiada em 5º lugar no ranking das vendedoras. São Paulo recebeu 81% do total de lançamentos feitos em 2015 pela empresa, que adotou o conceito de economia compartilhada no Smart Santa Cecília, no Centro, e Smart Vila Madalena, na Zona Oeste. Com estúdios, um e dois dormitórios, ambos foram lançados com preços de R$ 200 mil a R$ 350 mil. “Moradores terão acesso a facilidades compartilhadas como aluguel de carros e bicicletas, além da reserva de apartamento mobiliado para acomodar visitas.”

Em dezembro, a Gafisa lançou o 067 Hermann Jr, no Alto de Pinheiros, com apartamentos de 286m² e preço de R$ 5,5 milhões. Agora abriu plantão de vendas do MN 15 Ibirapuera, também de altíssimo padrão. Segundo Gamba, projeto diferenciado, terreno exclusivo e equação de valor competitivo formam o tripé para garantir o sucesso no segmento de luxo.

Localizado no Ibirapuera, uma das regiões mais valorizadas da cidade, o MN 15 traz inovações na concepção da fachada, com terraços desiguais e pé direito alto para instalação de canteiros. “Aliado a um design premiado em Milão, permite ter árvore plantada na varanda”, afirma Gamba, referindo-se ao prêmio A’Design Award & Competition que o projeto ganhou na categoria construção. No total, são 15 apartamentos, com 340m² ou dúplex de 570m². Em sites do setor, o preço sai a partir de R$ 8,16 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.