Galvão deixa de pagar debêntures

Empreiteira é citada na Operação Lava Jato

O Estado de S.Paulo

23 de março de 2015 | 02h03

O Grupo Galvão deixou de fazer o pagamento de juro de uma de suas debêntures (títulos de dívida), causando aceleração do vencimento de oito dívidas da CAB Ambiental, entre as quais duas debêntures da empresa de saneamento, apurou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem participação na CAB Ambiental.

Segundo uma das fontes ouvidas, o agente fiduciário teria comunicado a inadimplência aos bancos, uma vez que existem cláusulas de vencimento cruzado e algumas das outras dívidas têm aceleração automática.

De acordo com a fonte, agora o provável é que se intensifiquem as negociações entre as instituições que são credoras ou têm as debêntures encarteiradas para renovar termos ou as dívidas do grupo. A outra consequência do não pagamento dos compromissos, mas considerada improvável, seria pedir a falência da companhia, diz a fonte.

Uma outra fonte acrescentou que algumas instituições financeiras já teriam dado baixa contábil nas posições. "O problema são para papéis que estejam nas carteiras das assets (empresas de gestão de recursos), em que a perda tem de ser assumida", observou.

A inadimplência do Grupo Galvão acontece dois meses e meio depois do não pagamento pela empresa OAS de suas obrigações de dívida local e externa. As duas empreiteiras foram citadas na operação Lava Jato, que investiga as denúncias de corrupção na Petrobrás.

Procurado, o Grupo Galvão afirmou que não iria comentar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.