Ganho da Bovespa após grau de investimento já chega a 14%

Escalada das commodities, dólar nomenor nível em nove anos, expectativa de outro grau deinvestimento do Brasil e movimento calmo dos mercados externos.Essa pródiga combinação concorreu para a Bolsa de Valores deSão Paulo fechar esta sexta-feira em nova pontuação máxima. Com alta de 1,78 por cento, o Ibovespa atingiu os 72.766pontos, estabelecendo novo recorde, o oitavo desde que aagência Standard & Poor's elevou o rating soberano brasileiropara o primeiro degrau da faixa considerada investimentoseguro. Desde então, o índice já subiu 14 por cento. O giro dopregão nesta sexta foi de 6,88 bilhões de reais. "O mercado está trabalhando com a hipótese de que a agênciaFitch também vai elevar a nota do Brasil", disse Kelly Trentin,analista de investimentos da corretora SLW. No plano externo, o efeito negativo da queda do índice deconfiança do consumidor norte-americano ao menor nível em 28anos sobre Wall Street foi perdendo força ao longo do dia, atéser quase totalmente absorvido. O índice Dow Jones fechou emleve queda de 0,05 por cento. Esse panorama foi um prato cheio para os comprados,investidores do mercado de opções que apostam na alta dospapéis. O vencimento desses contratos vence na segunda-feira. As ações preferenciais da Petrobras, as mais importantes doIbovespa, subiram 2,2 por cento, a 48,15 reais, tambémrefletindo a escalada do petróleo, cujo barril subiu para novorecorde nesta sexta-feira, acima dos 126 dólares. Na mesma mão,as preferenciais da Vale ganharam 3,1 por cento, cotadas a58,62 reais. À frente delas, apareceram os papéis de outras empresasligadas a commodities, sob liderança das preferenciais daSadia, com avanço de 5,6 por cento, a 12,99 reais. Puxando afila das siderúrgicas, os papéis preferenciais da Gerdau deramum salto de 5,1 por cento, a 80,04 reais. O destaque negativo da sessão foram as ações preferenciaisdo Pão de Açúcar, liderando a ponta de baixa do índice, ao cair4,3 por cento, a 38 reais, devolvendo boa parte dos ganhos dasemana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.