Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Gás de cozinha aumenta até 23% em São Paulo

Depois dos postos de combustíveis, hoje foi a vez de as distribuidoras de gás de cozinha (GLP) reajustarem os preços. Como na gasolina, os aumentos para o consumidor ficaram acima dos 12% estimados pela Petrobrás na sexta-feira. Em algumas distribuidoras, o botijão de 13 quilos chegou a ser vendido nos pontos de revenda por R$ 27, registrando alta de 23%.Na média, o reajuste nos estabelecimentos consultados pela Agência Estado ficou em 17% e o valor em R$ 25,48. ?O porcentual de aumento depende da política de cada distribuidor?, afirmou o superintendente do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás), Agostinho Simões.A Agência Nacional do Petróleo (ANP) avisou que se houver abusos vai intervir novamente nos preços do gás, como ocorreu em agosto. Com a remarcação, a disparidade de preços que já vinha sendo verificada nas distribuidoras se intensificou. Os valores cobrados hoje na zona norte da capital paulista, por exemplo, variavam de R$ 19,99 a R$ 27 ? uma diferença de 35%.Os aumentos revoltaram os consumidores dos pontos de venda. Durante o dia era difícil encontrar clientes comprando o produto. Uma distribuidora da zona norte registrou uma queda de 72% nas vendas. Normalmente, até às 16 horas, o estabelecimento costuma vender 40 botijões de GLP. Hoje, nesse período apenas 11 haviam sido vendidos.A justificativa para a queda nas vendas é que os consumidores anteciparam as compras para antes do reajuste ? o que provocou falta do produto em alguns locais, afirmou o funcionário de uma distribuidora. Mas, prevendo retrações, alguns estabelecimentos resolveram se precaver, apostando nas promoções. Inaugurada na semana passada, uma distribuidora da zona norte vendia o botijão de gás por R$ 19,99, bem abaixo da concorrência. Mesmo assim, o preço teve alta de 11% comparado ao dia anterior, quando o produto era vendido por R$ 17,99.Ainda sem promover aumentos, uma distribuidora na zona norte vendia hoje o botijão por R$ 22,99. A compra dava direito a um cupom para o consumidor concorrer a um carro zero quilômetro e um ingresso para um show de uma dupla sertaneja. A encarregada da distribuidora não sabia informar quando o valor será reajustado. Todas as distribuidoras visitadas informaram que nas semanas anteriores o abastecimento de GLP esteve comprometido. Algumas chegavam a receber só 30 botijões, suficientes para atender os consumidores por 2 ou 3 dias.

Agencia Estado,

05 de novembro de 2002 | 21h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.