Gás natural pode subir 21%

A Petrobras pode repassar às distribuidoras de gás natural um reajuste de até 21% no dia 1º de outubro. O reajuste se refere ao preço do gás natural na saída do campo produtor, na Bacia de Campos. O valor é calculado com base em fórmula estabelecida pelo Ministério das Minas e Energia. O porcentual é influenciado principalmente pela variação do dólar e do preço da commodity no mercado internacional, além do custo de produção no mercado nacional.O diretor de Gás Natural da Petrobras, Rodolfo Landim, disse que o porcentual a ser repassado ainda está sendo discutido com as agências reguladoras de cada Estado. Ele não descartou a possibilidade de o porcentual ser escalonado, a exemplo do que ocorreu em dezembro, quando foi repassado um reajuste de 14%. O valor cobrado hoje pelo gás natural produzido pela Petrobras, sem o custo de transporte, é de R$ 185 por mil metros cúbicos.Para o diretor-gerente de Grandes Clientes da Companhia Estadual de Gás (CEG), Ricardo Lamassa, mesmo que a Petrobras repasse os 21% de reajuste sobre o gás natural, este porcentual deve ser diluído na composição da tarifa para os consumidores residenciais e industriais. Se realmente estiver neste nível, disse ele, será o maior aumento desde janeiro de 2001, quando o aumento foi escalonado.Lamassa lembrou ainda que o repasse é feito no mesmo mês para os clientes e apenas sobre o custo da commodity, que representa a maior parte do preço. O último reajuste trimestral repassado para o consumidor, em julho, coincidiu com o aumento anual da tarifa, autorizado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP). Neste reajuste anual, são considerados repasses dos aumentos no custos do transporte e atualização do IGP-M.Considerando estes índices e mais um reajuste de 10% repassado pela Petrobras no preço da commodity, o valor para o consumidor residencial foi elevado em 5% e para o industrial, em 8%. O diretor da Área de Gás da Petrobras, José Zonis, disse que a média de preço do gás natural sempre esteve na faixa dos R$ 200 por mil metros cúbicos, desde que a legislação para o cálculo do reajuste trimestral foi criada.Mesmo que o reajuste seja repassado na íntegra, o gás produzido no País ainda continuará mais barato em comparação com o gás importado, lembrou Zonis. O valor do BTU (unidade de origem britânica) é de US$ 3,00 para o gás importado e de US$ 1,60 para o nacional, sem incluir o seu transporte. Com o transporte, o valor chega a US$ 2,20.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.