Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Gasolina em alta: veja como é a composição do preço para o consumidor

Combustível já é vendido a mais de R$ 7 o litro no Rio Grande do Sul e acumula alta de 0,60% só no mês de agosto; Jair Bolsonaro tem cobrado que os governadores zerem a alíquota de ICMS sobre o preço final, mas maior fatia é da Petrobras

Redação , O Estado de S.Paulo

24 de agosto de 2021 | 15h04

O preço da gasolina comum vem acumulando altas no País e já ultrapassou R$ 7 no Rio Grande do Sul, segundo a pesquisa semanal da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O preço médio no Brasil, de R$ 5,866, subiu 0,22% entre os dias 8 e 14 de agosto (últimos dados disponíveis) e acumula alta de 0,60% no mês. 

Especialistas dizem que o dólar tem grande influência nesse comportamento - os derivados de petróleo sobem sempre que o câmbio sofre desvalorização (ou seja, o real fica mais barato) e o preço do barril aumenta. Outros fatores, no entanto, também influenciam no preço final do combustível, como o avanço da variante Delta do coronavírus, que tende a conter o crescimento e, consequentemente, aliviar os preços. Por outro lado, os conflitos no Afeganistão, que não é produtor de petróleo, mas está no Oriente Médio, região rica em reservas, puxam os custos para cima.

Na composição do preço da gasolina, a fatia da Petrobras é a maior, superando os 30% - no caso do óleo diesel, essa parcela é ainda maior, passando dos 50%. Sempre citado pelo presidente Jair Bolsonaro em sua disputa com os governadores, o ICMS (imposto estadual) também é “vilão” no preço dos combustíveis e responsável por quase 28% do valor final. Impostos federais - Cide, PIS e Cofins - representam outros 11,6%.

O imposto estadual incide sobre o preço do combustível - o preço médio ponderado ao consumidor final, que é reajustado a cada 15 dias. Cada Estado tem competência para definir a alíquota. Segundo dados da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis (Fecombustíveis), ela varia entre 25% e 34% na gasolina, dependendo do Estado.

Os biocombustíveis, que também são incluídos na mistura final, também subiram de preço - caso do etanol anidro, que é adicionado na proporção de 27% na gasolina comum e representa cerca de 16% do preço final. As margens brutas de revenda e distribuição, por sua vez, ficam em torno de 11,7% do preço final.

   

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.