Gasolina não sobe no primeiro semestre, diz Petrobras

O presidente da Petrobras, José Eduardo Dutra, reiterou hoje o compromisso da estatal em manter os preços dos combustíveis apesar da alta do petróleo no mercado internacional. "A Petrobras tem uma política de preços competitiva com o mercado internacional, acompanha a aderência do preço interno com o externo, mas isso não significa que a cada descolamento como agora, em que há uma grande volatilidade de preço, isso tenha que ser repassado de imediato", disse. Segundo ele, os preços internacionais estão "exatamente" iguais aos que estavam no mesmo período no ano passado. "É uma situação equivalente e a tendência é de que o preço cai no segundo trimestre". Dutra disse que a alta nos primeiros meses do ano é normal, independente de cenário de guerra ou terrorismo, por causa do inverno do hemisfério norte que eleva o consumo de diesel nos aquecedores. "Vamos acompanhar atentamente os preços neste segundo trimestre. Se não houver a queda esperada, aí sim faremos o repasse", disse. Dutra disse ainda que discorda dos "analistas arroz de festa" que "sempre aparecem na mídia para criticar a postura da Petrobras". "Se mantemos o preço menor do que lá fora, os analistas dizem que os acionistas estão perdendo, se mantemos mais altos, eles dizem que temos que baixar", disse, lembrando que o país tem "histórico" de preço fixado. "Temos apenas dois anos de preços liberados. Isso é muito recente para afirmar que a política de preços da Petrobras é instável", afirmou. Ele também rebateu as acusações de que a estatal estaria se aproveitando do excelente resultado de 2003 para fazer política de preços que contribua com o governo no controle da inflação. "Não existe esta história de que tivemos um resultado bom e portanto temos ´gordura para queimar´", afirmou.

Agencia Estado,

26 Março 2004 | 16h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.