Gasolina pode sofrer reajuste de 24%

O preço do litro da gasolina e do óleo diesel pode ser reajustado em 24% a partir do próximo mês para os consumidores. Os demais derivados de petróleo devem sofrer um aumento de 17%. O cálculo foi feito ontem pelo presidente da Associação Nacional das Distribuidoras de Produtos de Petróleo (ANDIP). Na opinião da Associação, o objetivo do governo é aumentar a arrecadação na Parcela de Preço Específica (PPE), cuja a previsão para o primeiro semestre deste ano é de déficit de R$ 600 milhões.Técnicos do governo trabalham com a possibilidade de um reajuste de cerca de 10% para os derivados do petróleo. Pelo menos sete pontos porcentuais de aumento para o litro da gasolina e do óleo diesel referem-se à mudança da fórmula do cálculo do PIS/PASEP e da Contribuição Financeira para a Seguridade Social (Cofins). Uma Medida Provisória do presidente Fernando Henrique Cardoso determina que estes tributos serão recolhidos quando as distribuidoras retirarem gasolina e óleo diesel das refinarias existentes no País.Isso entra em vigor no dia 1o de julho e consiste num aumento de preço de 7% para estes combustíveis.O desempenho pífio do governo com a PPE agrava também o acerto de contas com a Petrobrás. Isso porque a estatal, que antes subsidiava o preço dos combustíveis no País, teria que receber do Tesouro Nacional cerca de R$ 3 bilhões, ou seja, a dívida da chamada conta petróleo. Esta dívida cresceu 24,01% este ano, ou seja, bem acima do IGP-M da Fundação Getúlio Vargas (FGV), que entre janeiro e maio ficou em 2,30%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.