Gasolina pode subir em outubro

O preço do litro da gasolina deve ser reajustado, a partir do dia 6 de outubro, em até 5% nas refinarias da Petrobrás. Na bomba, a expectativa é que o aumento chegue a 4%, o que equivale a 80% do repasse autorizado para as unidades de refino. O ministro de Minas e Energia, José Jorge, explicou que o porcentual somente vai ser definido no fim deste mês, quando os técnicos do ministério fecharem as contas referentes às variações das cotações do barril do petróleo no mercado externo e ao preço do dólar no País.Os cálculos feitos por técnicos do governo indicavam, ontem, que se os preços fossem reajustados hoje a necessidade de reajuste seria de 5% para recuperar o déficit da Parcela de Preço Específica (PPE) - um fundo que serve para equacionar os subsídios dados pela Petrobrás. No acumulado de janeiro a agosto, a PPE apresenta um saldo negativo de R$ 1,785 bilhão. Este ano, o preço médio do litro da gasolina em São Paulo subiu 3,8% nos postos de combustíveis. Os mesmos estudos indicaram que o litro do diesel, também em São Paulo, teve um reajuste médio de 8,7% na bomba e o preço do gás de cozinha (GLP) sofreu um aumento de 9,1% nas revendas de São Paulo. Enquanto isso, os preços desses derivados tiveram porcentuais maiores nas unidades da Petrobrás. No ano, a gasolina aumentou 4,337% nas refinarias; o litro do diesel foi reajustado em 4,401% e o GLP em 4,339%.AjustesA política de ajustes dos preços dos derivados de petróleo que passou a vigorar este ano resulta no acompanhamento das oscilações da cotação do barril do petróleo e do dólar. A cada três meses, o governo revê para baixo ou para cima os preços dos derivados. Segundo José Jorge, a equipe econômica leva em consideração também o impacto que este ajuste trará para a inflação.

Agencia Estado,

14 de setembro de 2001 | 08h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.