Gasto com telefone supera energia e outros serviços, diz IBGE

Os gastos com tarifas de telefone (fixo e celular) superam os gastos médios mensais da família brasileira com energia elétrica e outros serviços públicos. O dado consta da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2002-2003, divulgada hoje pelo IBGE. Segundo a análise, as tarifas de telefone fixo têm participação de 1,79% na despesa média mensal familiar do brasileiro (cerca de R$ 31,86). Já as tarifas de telefone celular representam 0,63% da despesa média mensal familiar do brasileiro - somadas, as duas participações elevam os gastos com telefone para 2,42% do orçamento médio mensal familiar. Essas duas fatias são maiores do que a participação de energia elétrica, que atinge 2,21% do total da despesa média mensal familiar do brasileiro, ou R$ 39,27.A pesquisa mostra ainda que, quando são observados os gastos das famílias de maior e menor renda, as diferenças são significativas. Nas famílias ricas (renda média mensal familiar acima de R$ 6.000), as tarifas de telefone fixo representam 1,22% da despesa média mensal das famílias, ou R$ 106,38; e as de celular, 0,90% da despesa média mensal familiar, ou R$ 78,46. As tarifas de energia elétrica, por sua vez, nas famílias nesta classe alta de renda, têm fatia de 1,21% na despesa média mensal familiar, ou R$ 105,64. Nas famílias pobres (renda média mensal até R$ 400), as tarifas de telefone fixo representam 0,91% da despesa média mensal familiar (R$4,15) e as de celular, 0,16% (ou R$ 0,74). Já as tarifas de energia elétrica têm fatia de 3,02%, ou R$ 13,71.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.