Gasto de brasileiro no exterior cresce 20,6% e soma US$ 2,087 bi em outubro

Cifra é recorde para meses de outubro e também é a maior registrada nos últimos quinze meses

estadão.com.br,

22 de novembro de 2012 | 15h25

Texto atualizado às 15h58

SÃO PAULO - A alta do dólar parece que ainda não inibiu o apetite dos turistas brasileiros. Após crescerem pouco ou até recuarem ao longo deste ano, os gastos dos brasileiros com turismo no exterior voltaram a avançar e subiram 20,6% em outubro ante mesmo mês do ano passado e atingiram US$ 2,087 bilhões - é o maior valor já registrado para o mês. A cifra também é a maior para um único mês desde julho de 2011, segundo o Banco Central.

A conta de viagens internacionais, isto é, a diferença entre o que os brasileiros gastam lá fora e os estrangeiros deixam aqui, registrou um déficit de US$ 1,5 bilhão no mês passado. No acumulado dos 10 primeiros meses do ano, o déficit da conta de viagens somou US$ 12,874 bilhões, ante US$ 12,561 bilhões vistos em idêntico período de 2011. Neste ano, o dólar já subiu 11,9%, o que encarece as viagens para o exterior. Ontem, a moeda americana avançou 0,43%, a R$ 2,094, a maior cotação em três anos e meio.

O chefe-adjunto do Departamento Econômico do BC, Fernando Rocha explicou que a taxa de câmbio estabilizada em torno de US$ 2,03 há quatro meses fez os brasileiros se planejarem mais para as viagens internacionais. Além disso, a massa salarial está aumentando, o que contribui para gastos maiores dos brasileiros no exterior. "Com taxas mais estáveis, o brasileiro planeja sua viagem ao exterior", disse ele. Rocha previu que é provável um aumento dos gastos com viagens nos últimos meses do ano.

Contas externas

Além das viagens internacionais, Rocha também disse que as contas externas de outubro foram pressionadas pelo aumento das despesas com serviços, que fecharam o mês com um saldo líquido negativo de US$ 4,017 bilhões. Esse é pior resultado da série do BC para todos os meses, que teve início em 1947.

Na conta de serviços, ele destacou os gastos com aluguel de equipamentos, que vem apresentando crescimento constante e registraram saldo negativo de US$ 1,768 bilhões. No acumulado em 12 meses, os gastos com aluguel de serviços também é o maior da série. Além disso, destacou ele, a conta de transportes também pressionou o resultado. Em outubro, os gastos com transportes, (-US$ 819 milhões) são os piores da série para o mês.

Segundo ele, as remessas de lucros e dividendos também pressionaram o resultado das contas externas. Ele destacou que as remessas, que até agora vinham em patamares inferiores a 2011, aumentaram 51,1% em outubro deste ano em relação a outubro de 2011.

Rocha também avaliou que o aumento das importações, das remessas de lucro e dividendos e dos gastos com viagens internacionais corroboram a análise da autoridade monetária de que a atividade econômica vem recuperando ímpeto nesse final do ano.

Ele citou análise feita hoje pelo presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, que destacou que a economia já está crescendo a uma taxa de 4,7%. "Vinculado com o setor externo, isso aumenta a demanda de serviços prestados no exterior e mostra um déficit maior das transações correntes", afirmou.

(Com Agência Estado)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.