Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Gasto de consumidor nos EUA sobe 0,4% em novembro

O gasto do consumidor dos EUA aumentou 0,4% em novembro, depois de subir 0,7% em outubro, em dado revisado, informou o Departamento de Comércio. A renda pessoal dos norte-americanos cresceu 0,3% em novembro. Economistas ouvidos pela Dow Jones esperavam que o gasto subisse 0,5% e a renda aumentasse 0,2%.

DANIELLE CHAVES, Agencia Estado

23 de dezembro de 2010 | 12h09

A taxa de poupança dos norte-americanos diminuiu para 5,3% em novembro, de 5,4% em outubro, em dado revisado. O gasto dos consumidores é responsável por 70% da demanda na economia dos EUA, mas tem permanecido baixo mesmo à medida que a economia norte-americana se recupera.

Preços

O núcleo do índice de preços para gastos com consumo pessoal (PCE) subiu 0,1% em novembro ante outubro, em linha com a previsão dos economistas. Em relação a novembro do ano passado, o núcleo subiu 0,8%. O índice cheio de preços PCE avançou 0,1% em novembro frente a outubro e subiu 1% em relação a novembro do ano passado.

Construção

O Departamento de Comércio dos EUA informou que as permissões para construção no país em novembro foram revisadas para queda de 1,4% em comparação com outubro, para a taxa sazonalmente ajustada de 544 mil. No dia 16 de dezembro, havia sido anunciada queda de 4,0% nas permissões para construção, para a taxa sazonalmente ajustada de 530 mil. As permissões são um sinalizador da atividade futura no setor de construção.

Seguro-desemprego

O número de trabalhadores norte-americanos que entraram pela primeira vez com pedido de auxílio-desemprego caiu 3 mil, para 420 mil, após ajustes sazonais, na semana até 18 de dezembro, segundo informou o Departamento de Trabalho dos EUA. Os economistas ouvidos pela Dow Jones esperavam queda de 2 mil solicitações. O número da semana anterior foi revisado em alta para 423 mil, dos 420 mil informados anteriormente.

Na semana encerrada em 11 de dezembro, o número total de norte-americanos que recebiam auxílio-desemprego caiu 103 mil, para 4,064 milhões, do dado revisado de 4,167 milhões na semana anterior. A taxa de desemprego para trabalhadores com seguro-desemprego foi de 3,2% na semana até 11 de dezembro, menor que a taxa da semana anterior de 3,3%, que foi mantida.

Segundo o Departamento do Comércio, os pedidos de auxílio-desemprego estão próximos do menor nível desde setembro de 2008, quando começou a crise financeira e as demissões aumentaram. Nos EUA, as regras para distribuição do auxílio-desemprego variam de Estado para Estado e nem todos os desempregados têm direito ao benefício. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
consumorendaconstruçãodesempregoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.