Gato robô sem cabeça é criado para procurar vítimas de tragédias

Gatinho artificial é anunciado como o mais rápido autômato na categoria de até 30 quilos e quatro patas

18 de junho de 2013 | 11h07

 

SÃO PAULO - Um gato robô foi desenvolvido por cientistas do Instituto Federal de Tecnologia de Lausanne, na Suíça.

O gatinho artificial não tem cabeça e nem rabo, e também não liga para carinhos e nem brinca com novelos de lã. Ele atrai atenções por ser totalmente robótico e imitar perfeitamente o andar dos felinos.

O felino mecânico está sendo anunciado como o modelo de robô mais rápido da sua categoria, a de autômatos com menos de 30 quilos e quatro patas. Ele tem cordões no lugar de tendões e equipamentos eletrônicos que o fazem caminhar em qualquer terreno como um gato de verdade.

O gato 'Cheetah cub' será usado como plataforma para a estudos sobre locomoção e biomecânica, mas pode no futuro ser usado em tarefas de exploração e de resgate em caso de catástrofes.

O gato artificial, segundo as características descritas na última edição da revista "International Journal of Robotics Research", pesa cerca de um quilo e tem comprimento de 20 centímetros.

Tudo o que sabemos sobre:
GatorobôrobóticafelinoLausane

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.