Gazprom processa Naftogaz em corte internacional, diz agência

Companhia russa abre processo buscando exigir que a Ucrânia garanta o fluxo de gás natural para a Europa

Danielle Chaves, da Agência Estado,

13 de janeiro de 2009 | 16h27

A companhia estatal russa de gás Gazprom abriu um processo contra a estatal ucraniana Naftogaz na Corte de Arbitragem Internacional de Estocolmo, na Suécia, de acordo com Vladimir Chizhov, embaixador da Rússia para a União Europeia, citado pela agência de notícias russa Prime-Tass. O executivo-chefe da Gazprom, Alexei Miller, havia dito anteriormente que o processo buscaria exigir que a Naftogaz garanta o trânsito de gás natural russo através da Ucrânia.  Veja também:Rússia retoma envio de gás à Europa pela UcrâniaGazprom diz que Ucrânia não abriu gasodutos para fluxo de gásPutin pede colaboração da Ucrânia para conferir sistema de gás Pela manhã, a Gazprom afirmou que retomou o envio de gás para a Ucrânia, mas o país vizinho não abriu seu sistema de gasodutos. A Naftogaz, por outro lado, afirmou que vai garantir o trânsito pela Ucrânia se a Gazprom enviar mais gás, segundo o porta-voz da estatal russa, Sergei Kupriyanov. De acordo com Kupriyanov, a Naftogaz disse que precisa de mais gás porque usou parte do gás destinado à Europa para abastecer os consumidores ucranianos. Com isso, o vice-presidente da Gazprom afirmou que a companhia declarou "força maior" sobre suas exportações de gás via Ucrânia nesta terça-feira. Também nesta terça o presidente da Ucrânia, Viktor Yushchenko, expressou sua opinião sobre a disputa entre seu país e a Rússia em relação ao preço do gás. Yushchenko afirmou acreditar que um valor entre US$ 205 e US$ 210 por cada 1 mil metros cúbicos é um preço "justo" para a Ucrânia.  No entanto, a Gazprom indicou que vai buscar impor um valor acima de US$ 400 por cada 1 mil metros cúbicos depois que a Ucrânia rejeitou a oferta de US$ 250 por cada 1 mil metros cúbicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.