Geithner diz que é ‘imperativo’ achar solução para crise da Europa

Secretário do Tesouro americano afirmou que os EUA ofereceram apoio, mas observou que "o fardo recai primeiramente sobre as costas dos europeus"

Ricardo Gozzi, da Agência Estado,

25 de outubro de 2011 | 16h53

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Timothy Geithner, disse nessa terça-feira, 25, que é "imperativo" que se encontre nos próximos dias uma solução para a crise da dívida da Europa por se tratar do "maior desafio ao crescimento global" no momento.

 

Encorajado pelos esboços de ações divulgados nos últimos dias, Geithner disse estar ansioso por mais detalhes. "Queremos ver os detalhes, não somente os objetivos", declarou ele depois de uma visita a uma fábrica de fibras óticas da Corning Inc na Carolina do Norte, onde falou também do plano de criação de emprego do governo norte-americano.

Geithner afirmou que os EUA ofereceram apoio, mas observou que "o fardo recai primeiramente sobre as costas dos europeus". A expectativa é de que líderes europeus apresentem ainda esta semana um plano para fazer frente à crise da dívida de países da zona do euro.

Estados Unidos

Ao falar sobre a situação dos EUA, o secretário do Tesouro lembrou que o mundo também está acompanhando de perto o que acontece no país, especialmente a dificuldade enfrentada para fazer frente ao desemprego, que permaneceu acima de 9% no mês passado.

Geithner responsabilizou o Congresso por não aprovar o plano de estímulo ao emprego apresentado pelo presidente Barack Obama. Ele aproveitou o evento para pressionar os congressistas a aprovarem medidas que preveem investimentos pesados na infraestrutura dos EUA.

"A infraestrutura que nós vimos erodir na última década é como um imposto a todos os negócios em todo o país", comentou Geithner. "Não há motivo agora para não expandir investimentos que serão fundamentais para o crescimento e para mais norte-americanos possam voltar a trabalhar", declarou. 

Geithner disse ainda que o crescimento econômico dos EUA será mais forte e taxa de desemprego cairá ser o Congresso cooperar com as propostas da Casa Branca para impulsionar a economia. "Sem a boa vontade dos republicanos para seguir com a redução de impostos para a classe média americana e empresas, além dos investimentos em infraestrutura para reconstruir o país, a economia enfraquecerá, disse Geithner em entrevista a ser exibida no programa Evening News, da CBS.

O Senado votou contra o pacote de US$ 447 bilhões do presidente Barack Obama no início do mês. Todos republicanos votaram contra o projeto de lei e dois democratas também o fizeram. Agora os democratas do Senado estão prosseguindo com o plano de Obama em partes.

"Se eles (republicanos) agirem sobre essas propostas, o crescimento será mais forte e o desemprego mais baixo e veremos mais americanos de volta ao trabalho. Se não agirem, o risco é de uma economia mais fraca e maior desemprego", afirmou o secretário.

As informações são da Dow Jones.

(Texto atualizado às 19h55)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.