Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

General Shopping foca em modelo a céu aberto

Para avançar em direção ao interior do País, a General Shopping Brasil aposta no desenvolvimento do modelo "open mall" - centros de compras a céu aberto, mais compactos, por meio da marca Unimart -, com o qual visualiza a possibilidade de expansão para cerca de 50 cidades nas regiões Sul e Sudeste. "Temos prospectadas essas (50) cidades como potenciais para o desenvolvimento desses empreendimentos (open mall). O Unimart pode chegar a cidades a partir de 150 mil habitantes", disse à Agência Estado o diretor de marketing e varejo da companhia, Alexandre Dias.

RODRIGO PETRY, Agencia Estado

22 de outubro de 2011 | 09h03

Dias evitou dar prazos para o desenvolvimento destes empreendimentos, mas adiantou que o segundo modelo com a marca Unimart será construído em Atibaia (SP), a 70 km de São Paulo, às margens da Rodovia Fernão Dias. O Unimart Atibaia terá 16 mil m² de Área Bruta Locável (ABL), 152 lojas e inauguração prevista para o segundo semestre de 2013. "Este shopping será baseado no conceito ''life style'', que visa reunir o conforto de um empreendimento a céu aberto às necessidades de compras e serviços dos consumidores", destacou.

Segundo ele, a General Shopping quer avançar nesse modelo de centro de compra em razão do tempo médio de construção ser praticamente metade do gasto em comparação a um empreendimento tradicional. "O prazo da inauguração pode cair de dois anos para até um ano."

Dias acrescentou que essa maior agilidade para entrega das áreas de venda visa principalmente atender à demanda das principais redes varejistas, que enxergam nas cidades de menor porte distribuídas pelo interior do País as principais oportunidades de expansão de lojas.

O outro shopping da companhia no estilo "open mall" está localizado em Campinas (SP). Este empreendimento passa atualmente por obras de expansão que elevarão a área de 10,2 mil m² para 15,1 m². A reforma deve estar concluída até o final do primeiro trimestre de 2012, ampliando para 121 o número de lojas.

Além do "open mall'', a General Shopping visualiza oportunidades no desenvolvimento de "outlets", que reúnem no mesmo local lojas, também a céu aberto, de grandes marcas de roupas, calçados e acessórios, que desovam pontas de estoques de coleções, com preços mais baixos. A empresa já conta com uma unidade em Itupeva (SP), com 90 lojas de marcas como Giorgio Armani, Hugo Boss, Ermenegildo Zegna, Ricardo Almeida, Lacoste, Nike, Adidas, Le Lis Blanc, Track & Field, Osklen, Farm e Animale.

O segundo empreendimento deste modelo, o Outlet Premium Brasília, será inaugurado no primeiro trimestre de 2012, com 16,5 mil m² de área bruta locável, localizado em Alexânia, cidade satélite do Distrito Federal, com 60 lojas. Segundo Dias, a empresa visualiza a possibilidade de abertura de "outlets" no Rio de Janeiro (RJ) e em Salvador (BA).

Interiorização

A busca por oportunidades no interior e regiões metropolitanas das capitais tem respaldo no varejo. "As redes querem ir para locais com demanda e poucas lojas." A entrada de shoppings nessas cidades menores pode também ajudar a equilibrar a oferta varejista, segundo Dias. Isso porque a administração centralizada permite que seja quase que imposto um equilíbrio na quantidade de lojas de um mesmo produto. Não faz sentido, por exemplo, ter em um mesmo espaço várias redes de eletrodomésticos.

Dias exemplificou que o shopping em Atibaia vai contar com um público potencial entre 350 mil e 400 mil habitantes, vindos de cidades vizinhas como Bragança Paulista, Várzea Paulista, Nazaré Paulista, entre outros municípios. "Optamos por crescer em cidades de menor porte, mas que são um polo de atração de consumidores de cidades vizinhas.", disse. Atualmente, dos treze empreendimentos administrados pela General Shopping dez deles encontram-se no interior ou região metropolitana.

A crise internacional, na avaliação de Dias, não deve desacelerar os investimentos por parte da indústria de shopping centers e varejo. "Os lojistas continuam com seus planos de expansão. Apesar da crise (no exterior), ainda temos um crescimento importante do varejo", destacou.

Segundo previsão da Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop), o número de shopping centers no interior deve ultrapassar pela primeira vez o total instalado nas grandes cidades este ano. Levantamento encomendado pela entidade ao Ibope Inteligência indicava que até o ano passado 50,13% dos empreendimentos estavam nas capitais e o restante no interior. Mas atualmente há 124 centros de compra em construção, sendo 65% deles no interior com previsão de inauguração até 2013.

Tudo o que sabemos sobre:
shoppingsmercado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.