Genro: não houve erro de tradução no caso Cacciola

O ministro da Justiça, Tarso Genro, afirmou que não houve problema de tradução na documentação enviada pelo governo à Justiça do Principado de Mônaco para a extradição do banqueiro Salvatore Cacciola. Ontem, a Justiça de Mônaco voltou a questionar a validade dos documentos, por supostos problemas na passagem do texto do português para o francês.Segundo Tarso Genro, que assinou hoje com o prefeito do Rio, Cesar Maia (DEM), a adesão do município ao Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci), o trabalho foi feito por tradutores juramentados que sempre fizeram esse tipo de serviço parar o Brasil sem nenhum problema. Uma das dificuldades, disse, envolvem a tradução da palavra peculato, que aparentemente não tem equivalente legal no sistema jurídico de Mônaco. O ministro disse que, se for solicitado, o governo brasileiro poderá enviar uma nova tradução dos documentos a Mônaco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.