Genro nega que prisão de Dantas tenha teor político

Ministro da Justiça rebate críticas do advogado do empresário e afirma que trata-se de uma operação 'normal'

VANNILDO MENDES, Agencia Estado

08 de julho de 2008 | 12h18

O ministro da Justiça, Tarso Genro, negou nesta terça-feira, 8, que a operação da Polícia Federal, que culminou com a prisão do sócio fundador do banco Opportunity, Daniel Dantas, tenha alguma conotação política, de perseguição do governo, como alega o advogado de Dantas, Nélio Machado. "Absolutamente, foi uma operação normal, fruto de uma investigação que vem sendo realizada há quatro anos e que de dois anos para cá tomou impulso", afirmou o ministro.   Veja também: Imagens da Operação Satiagraha Opine sobre a prisão de Dantas, Nahas e Pitta  Daniel Dantas, pivô da maior disputa societária do Brasil Entenda o nome da Operação Satiagraha, que prendeu Dantas Entenda as acusações contra Dantas e Nahas Defesa diz que Dantas foi preso por vingança Mandados de prisão atingem familiares e funcionários de Dantas PF prende Daniel Dantas, Naji Nahas e Celso Pitta Os 40 do mensalão As ações da Polícia Federal no governo Lula   Segundo ele, a investigação, que resultou nesta terça na prisão de Dantas e ainda do investidor Naji Nahas e do ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta foi coordenada pelo Ministério Público e a Justiça Federal. Genro participou da inauguração do laboratório de combate a lavagem de dinheiro, nova ferramenta que o Ministério da Justiça está levando a todo o país para ajudar no combate ao crime organizado e crimes financeiros em geral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.