Yuri Gripas/Reuters
Yuri Gripas/Reuters

George Soros crê em colapso da União Europeia caso Reino Unido deixe o bloco

Megainvestidor alerta que ação pode desencadear um êxodo geral e a dissolução do bloco

Dow Jones Newswire

09 Junho 2016 | 10h56

WASHINGTON - Dono de uma fortuna de US$ 24,9 bilhões, o megainvestidor George Soros disse nesta quinta-feira que há boa chance de a União Europeia (UE) entrar em colapso caso o Reino Unido opte por deixar o bloco (ação conhecida como "Brexit"), além de uma crise imigratória e desafios com a Grécia.

"Se o Reino Unido sair, isso poderia desencadear em um êxodo geral e a dissolução da União Europeia passará a ser praticamente inevitável", disse ele. Ainda assim, Soros disse que a força recente na libra britânica é um sinal de que uma votação pela saída da UE é menos provável. "Os mercados nem sempre têm razão, mas neste caso eu concordo com eles", disse o investidor em uma entrevista ao The Wall Street Journal.

O bilionário de 85 anos, dono de um fundo que administra cerca de US$ 30 bilhões, também mostrou preocupação e ceticismo em relação à economia chinesa. "A China continua a sofrer com a fuga de capitais e tem esgotado suas reservas em moeda estrangeira, enquanto outros países asiáticos têm acumulado moeda estrangeira", disse Soros. "A China está enfrentando um conflito interno dentro de sua liderança política e durante o próximo ano isso irá dificultar a sua capacidade de lidar com questões financeiras", destacou.

Soros teme que novos problemas surgirão na China, em parte porque o país não parece disposto a abraçar um sistema político transparente que ele afirma ser necessário para aprovar reformas econômicas duradouras. Pequim iniciou reformas no ano passado, mas voltou atrás em alguns esforços em meio a mercados turbulentos.

Alguns investidores estão começando a antecipar o aumento da inflação em meio a ganhos salariais recentes nos EUA, mas Soros disse que está mais preocupado que a fraqueza continue na China e exerça uma pressão deflacionária - uma espiral prejudicial de queda dos salários e preços - sobre os EUA e economias globais. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.