Geração: cias que pagam bons dividendos

A Geração Corretora montou uma carteira de investimento em empresas que pagam bons dividendos aos seus acionistas. Com base nesse critério, as principais recomendações são os papéis da Politeno, Souza Cruz, Fosfértil e Forjas Taurus."Falta uma cultura de capital na qual os acionistas não pensem apenas no ganho com as variações em Bolsa", afirmou o diretor da corretora, Milton Milioni. Ele lembrou que as análises da Geração estão baseadas nos balanços das empresas, não nas oscilações das ações em bolsa, encarando o investimento em ações como de médio e longo prazo. Para definir as empresas que destinam gordos dividendos aos investidores, a Geração fez o seguinte cálculo: dividiu o montante distribuído pelo valor das ações em Bolsa. O porcentual obtido dessa conta denomina-se "yield".RecomendaçõesA corretora recomenda a compra de papéis que ofereçam uma expectativa de "yield" para este ano acima de 5%, porcentual que supera os ganhos obtidos na renda fixa. "Nossa intenção é determinar o retorno de um investimento em termos de caixa, sem que as ações sejam vendidas", afirmou Milioni. A maior previsão de "yield" para este ano é das ações da Polialden, de 42,87%. Para chegar a esse porcentual, a Geração contabilizou primeiramente um histórico de quatro anos de distribuição de dividendos da companhia. O lucro líquido e o dividendo de 2000 são projetados, e são desconsiderados os valores já pagos sobre este ano. Os porcentuais em questão tomam como base a cotação da ação em 30 de setembro último. O investidor não pode se esquecer de avaliar fatores como o histórico e a administração da companhia, além de sua propensão a entrar no setor petroquímico. O "yield" projetado para as ações ordinárias da Souza Cruz é de 21,15%. "A companhia é madura e paga dividendos altos, já que seu ritmo de investimentos está praticamente estabilizado e seu resultado é bom." As ações da Fosfértil têm "yield" projetado de 21,11%. "A empresa sempre pagou dividendos altos e é uma grande geradora de caixa." No caso de Forjas Taurus, a projeção é de "yield" de 12,46%. Segundo ele, a companhia paga normalmente, em fevereiro, dividendos de 6% em relação ao capital. "Em princípio, esse seria o rendimento da poupança, mas não podemos nos esquecer que a cotação das ações está muito baixa, o que eleva o retorno." O dividendo é distribuído independentemente do valor da ação. Se ela está barata, o investidor precisa de menos recursos para fazer jus a esse rendimento. A carteira conta ainda com mais oito papéis: Ipiranga Refinaria (8,71%), Oxiteno (7,64%), Petrobras (7,47%), Copene (6,69%), Fertibrás (6,01%), Bardella (5,94%), Guararapes (5,86%) e Marcopolo (5,19%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.