Geração de empregos em dezembro nos EUA foi inferior à prevista

O índice de desemprego nos Estados Unidos caiu para 4,9% em dezembro, embora a criação de novos postos de trabalho tenha sido muito inferior à prevista, informou hoje o Departamento de Trabalho. A maioria dos analistas calculou que, em dezembro, seria registrado um aumento de 205 mil empregos, mas os números divulgados pelo Governo apontam a criação de apenas cerca de 108 mil novos postos de trabalho. Pelo segundo ano consecutivo, ao longo de 2005, a economia dos Estados Unidos gerou pouco mais de dois milhões de empregos.Em dezembro, as remunerações médias por hora subiram 5 centavos, ou 0,3%, e chegaram a US$ 16,34. Em todo o ano, as remunerações médias por hora subiram 3,1%. O relatório indica que as empresas continuam apostando nos lucros de produtividade para atender a demanda e são contrárias a contratar mais trabalhadores. O crescimento mais lento do emprego afeta os gastos dos consumidores que, nos EUA, equivalem a quase 70% do Produto Interno Bruto.O mercado imobiliário, que se manteve vigoroso por quatro anos, começou a recuar. A retração também influi na redução de despesas dos consumidores. O setor de serviços, que inclui o comércio no varejo, os bancos e as agências do Governo, teve no mês passado um aumento de 96 mil empregos após a criação de 252 mil novas vagas em novembro. Ainda em dezembro de 2005, o setor manufatureiro empregou mais 18 mil pessoas, o maior número desde agosto de 2004. Em novembro, foram registrados oito mil novos postos de trabalho.O varejo teve, em dezembro, uma perda de 15 mil empregos, após 12 mil postos de trabalho terem sido eliminados no mês anterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.