WERTHER SANTANA
WERTHER SANTANA

Geraldo Alckmin diz que o Rodoanel Metropolitano deve ser entregue em 18 meses

Segundo o Governador de SP, obra, que permitirá ligar o aeroporto de Guarulhos ao Porto de Santos, tem como objetivo 'retirar o gargalo'

Camila Turtelli e José Roberto Gomes, Broadcast

21 Novembro 2016 | 10h18

SÃO PAULO - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse na abertura do Summit Agronegócio Brasil 2016, que o Rodoanel Metropolitano, que permitirá ligar o aeroporto de Guarulhos ao Porto de Santos, deve ser entregue em 18 meses. "Estamos tirando um gargalo tendo em vista que São Paulo é o principal exportador nacional", disse Alckmin.

O governador destacou, ainda, que o agronegócio brasileiro "vai bem, mas ainda tem grandes desafios e um bom potencial para crescer." Segundo Alckmin, isso será possível graças ao novo patamar de câmbio, favorável as exportações nacionais. Para o governador, dois segmentos de destaque neste ano são os de carnes e de açúcar, cujos produtos têm preços em alta no momento. Alckmin avalia que o agronegócio vive um bom momento, "com boa perspectiva de crescimento, não apenas pela questão cambial mas também pela competitividade do setor".

Antes de participar da abertura do Summit Agronegócio 2016, realizado em São Paulo pelo Estadão, em parceria com a Faesp, Alckmin destacou preocupação com a oferta de crédito para o setor, o que, segundo ele, pode ser amenizado com "uma boa política de seguros". "(Pelo) Estado de São Paulo sai grande parte da safra através do porto de Santos. Estamos investindo fortemente em infraestrutura", afirmou. Em relação ao setor pecuário, o governador citou aberturas recentes de mercado para exportação, que devem impulsionar as atividades dos frigoríficos. 

Expectativas. O presidente da Federação de Agricultura do Estado de São Paulo (Faesp), Fábio Meirelles, afirmou que as mudanças na política internacional tendem a ser positivas para o Brasil. Em sua avaliação, o Brexit, processo de saída do Reino Unido da União Europeia, e a eleição de Donald Trump nos Estados Unidos ocorreram sob "critérios claros". "Isso é melhor para o Brasil, que precisa a partir de agora saber lidar como um grande fornecedor global de alimentos", comentou.

O presidente da Faesp afirmou ainda que em momento de incerteza econômica o agronegócio é o setor que tem lançado sementes de esperança. Segundo disse, antes da conclusão do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff a perspectiva era a de que a situação econômica do País fosse retomada rapidamente. "No entanto, a situação foi mal avaliada", afirmou. 

Entre os principais problemas, ele citou a queda da arrecadação tributária no País. Para ele, o Brasil ainda está em processo de recuperação, no qual o agronegócio é o alicerce. Ele ressaltou que debates sobre o setor são importantes para que se possa avançar em tecnologia e elevar cada vez mais a produtividade do setor. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.