Gerdau fecha usina nos Estados Unidos

Queda na demanda por aço leva grupo brasileiro a suspender atividades de siderúrgicas no país à espera de condições econômicas favoráveis

, O Estadao de S.Paulo

09 de junho de 2009 | 00h00

O grupo siderúrgico brasileiro Gerdau anunciou ontem que vai suspender a produção de uma usina siderúrgica localizada em Sayreville e fechar a laminação da unidade de Perth Amboy, ambas no Estado de Nova Jersey, nos Estados Unidos. Em comunicado, o grupo informou que ainda negocia com o sindicato dos trabalhadores das indústrias siderúrgicas dos Estados Unidos, o poderoso United Steel Workers (USW), o fechamento de uma usina siderúrgica em Sand Springs (Oklahoma, EUA).A Gerdau Ameristeel, subsidiária da Gerdau na América do Norte, é hoje a segunda maior produtora de aço dos EUA por meio de mini mills (usinas que utilizam como principal matéria-prima a sucata). O grupo opera 19 mini mills na América do Norte, com capacidade de produção de 12 milhões de toneladas de produtos acabados de aço por ano. A usina que está sendo fechada é a segunda maior da Gerdau Ameristeel. A Gerdau atribui os fechamentos à crise de demanda causada pela contração econômica, que atingiu em cheio o mercado americano. "Dependendo do resultado das discussões sobre Sand Springs, a companhia espera economizar, antes dos impostos, aproximadamente de US$ 35 milhões a US$ 70 milhões por ano", informou a empresa, em comunicado.Segundo a Gerdau, os custos do fechamento apenas das unidades de Nova Jersey são estimados em US$ 80 milhões a US$ 140 milhões após os impostos. Desse total, os desembolsos relacionados a indenizações trabalhistas e despesas com o fechamento das unidades ficarão aproximadamente entre US$ 15 milhões e US$ 30 milhões. De acordo com o padrão contábil americano (USGAAP), a companhia prevê que parte desses custos serão incorporados no trimestre em curso e parte no 3º trimestre de 2009.RETOMADAOs fechamentos e suspensão devem ocorrer nos próximos meses. "A companhia espera retomar as operações na unidade de Sayreville quando as condições econômicas estiverem favoráveis." De acordo com a companhia, os clientes continuarão sendo atendidos pelas demais siderúrgicas do grupo localizadas nos Estados Unidos e Canadá."Essa foi uma decisão muito difícil que tomamos, após uma análise cuidadosa do mercado, de nossa capacidade produtiva e das alternativas com maior efetividade de redução de custos para atender às necessidades de nossos clientes na América do Norte durante esse período de retração econômica sem precedentes", disse, em nota, o presidente da Gerdau Ameristeel, Mario Longhi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.